segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Cinco dias de ativismo on line contra a violência contra a mulher


Dia 1

Dando início a série de cinco postagens sobre a violência contra a mulher, eu gostaria de colocar uma questão que sempre me vem à cabeça em relação a esse tema. Nós temos dois dias, 8 de março e 25 de novembro, para nos lembrar da mesma coisa: a violência contra a mulher. E passamos 363 dias sofrendo com a violência sem ser lembrada pelo resto do ano. Mas em um desses dias, não nos lembramos nem mesmo da violência atroz contra a mulher que esse dia representa.

O dia 08 de março foi considerado o dia Internacional da mulher. É um dia para se colocar em pauta as consquistas dos movimentos feministas e também o que ainda precisaser feito. Certa vez eu vi uma série de pichações sexistas num banheiro da UnB. Cometi um ato de vandalismo e respondi uma das acusações colocando o verdadeiro motivo do dia internacional da mulher ser comemorado em oito de março. Devido a enxurrada de outras pichações que seguiram esta eu resolvi começar meu protesto on-line por essa dia.

Essa data não foi escolhida ao acaso. No dia 8 de março de 1857 cerca de 130 tecelãs faziam uma greve dentro da fábrica onde trabalhavam, em Nova Yorque. Elas reividicavam uma redução na jornada de trabalho, que era de 16hs, e equiparação dos salários com os homens e melhores condições de trabalho. As mulheres, nessa época, ganhavam 1/3 do salário de um homem e sofriram diversos abusos no ambiente de trabalho. Como consequência de seu ato subversivo, essas mulheres foram trancadas dentro do galpão da fábrica e atearam fogo nelas.

O interessante porém é o fato do comércio estar usando essa data para fazer com que se comprem flores e chocolate para as mulheres sem discutir nada a respeito da condição atual das mulheres em nossa sociedade. Ganhar uma rosa no dia 8 de março pode ter vários significados, mas e minoria deles é lisonjeira. As flores sempre simbolizaram o sexo da mulher, a vagina. Elas aparecem na cerimônia de casamento para lembrar que o sexo da mulher vai pertencer ao marido. É como se fizesse uma oferenda. Flores também são colocadas em túmulos para confortar a família da pessoa que faleceu e mostrar que a vida continua apesar da perda.

A desvirtuação do real significado do dia internacional da mulher em uma data para se presentear as mulheres - mais uma data comercial é muito frustrante. "Uma em cada cinco brasileiras declara espontaneamente já ter sofrido algum tipo de violência por parte de um homem. A cada 15 segundos uma mulher é espancada por um homem no Brasil."

Semana passada eu estive no Simpósio Gênero e Psicologia Social, realizado na UnB. Durante a palestra da professora Lia Zanotta, que falava sobre os vereditos em casos de estupros no DF, eu fiquei absolutamente pasma. A análise ainda é preliminar e não podemos tirar conclusões precipitadas, mas ao que parece, a mulher só não é responsabilizada pelo estupro quando morre ou quase morre. Ou seja, quando fica evidente que ela se opôs ao estupro. Dentre todas as abominações escritas nos autos eu ouvi inclusive uma que dizia ser uma menina de 11 anos suficiente madura e esperta para fugir de um estuprador "doidão" e armado. Ela seria capaz de fugir do homem apenas por conseguir ir sozinha da escola para casa e havia esperimentado cola (era uma menina de periferia, mas isso não foi levado em conta).

Eu me pergunto então, porque entregar flores para as mulheres no dia 8 de março? Seria um pedido de desculpas? Não pelo que foi feito e ainda é feito, mas apenas pelo que aconteceu no dia 8 de março de 1857 em Nova Yorque? Pode ser que seja um lembrete: sua sexualidade me pertence e se vc for muito independente te chamarei de macho ou de promíscua e vc ainda ganhará menos que eu. Ou, pode ser que realmente o significado dessas flores não seja tão superficial assim e algumas pessoas queiram nos lembrar que a vida continua e que temos muitos motivos para comemorar e para lutar, apesar da morte das 130 mulheres em Nova Yorque.

3 comentários:

Iara disse...

Drixz,

Seu post conversa muito com o que eu fiz em 8 de março, acho que antes de conhecermos o blog uma da outra:

http://foifeitopraisso.blogspot.com/2010/03/presentinho-no-dia-internacional-da.html

Essa história do presente, pra mim, mostra uma conndescendência humilhante. Não aceito de jeito nenhum.

Pri disse...

Eu tenho uma amiga que costuma chamar o 8 de março de "dia do brinde". É realmente ridículo o tanto de bombom e flores que nos dão, sem a menor preocupação com o real significado do dia.

Borboletas nos Olhos disse...

Um prazer ler alguém que organiza seu texto de forma inteligente e sensível. Tem sido uma semana dura, mas necessária nos tempos em que vivemos. Beijos desejosos de tempos melhores...