quinta-feira, 3 de novembro de 2011

O golpe da barriga, ou a faca de dois gumes

Quem nunca ouviu alguma história sobre alguma mulher que engravidou para segurar o namorado? Recentemente com a notícia da pílula masculina algumas mulheres levantaram a questão: "E se o cara falar que tá tomando a pílula só para transar sem camisinha?"

Eu confesso que demorei um pouco para entender essa hipótese pois precisou entrar mais uma desculpa no meio de tantas que os caras já dão para transar com uma mulher sem camisinha. Pois eles já usam aquela do "eu só tenho vc na minha vida", ou "se vc me ama, confia em mim". E acreditem se quiser, até os caras que pegam mais de uma, mesmo quando as meninas já sabem, ainda usam a seguinte "mas eu só faço sem camisinha com vc". Agora acrescentamos mais essa ao repertório dos caras de pau "mas eu tô tomando pílula, vc não vai ficar grávida".

Vamos e convenhamos que não é tão ruim para o cara engravidar uma mulher. Se ele não quiser nem saber do filho ele pode, é moralmente e legalmente aceitável, contanto que pague uma parcela ridícula de seu salário para a mãe (que muitas vezes é vista como uma aproveitadora) e não dispense nenhum minuto de sua vida com carinho e atenção ao bebê/filhx/criança.

Porque a mulher é vista como uma aproveitadora? Voltemos ao famoso golpe da barriga. O que a mulher quer com isso? Um casamento, uma pensão? Vamos lá; caso a mulher engravide de um milhonário, vai ganhar uma pensão, gorda, talvez, mas não chega a ser grande coisa para o cara. Não lembro os números, mas ouve uma expeculação tempos atrás de que um jogador de futebol pagaria uma pensão de aproximadamente 45 mil reais para a ex com o filho. Muita gente chamou a mulher de aproveitadora, mas se esqueceu que o cara ganhava mais de 2 milhões por mês. Dentro desse quadro isso é pouco. Porque? Bom, primeiro porque se a mulher não cuidar do filho, provavelmente perde a pensão. Mas em se tratando de um milhonário, o cara não é obrigado a casar com a mulher, pode simplesmente "reparar" os danos. Se casou, é porque queria, não?

Mas e quando o cara não tem dinheiro, o que ele perde? É engraçado, mas a lógica do casamento por motivo de gravidez é sempre a da perda, e nunca a dos ganhos. Parece que o homem só perde, mas uma coisa que muita gente esquece de levar em consideração quando acha que uma mulher é golpista é que ela perde mais num casamento ocorrido nessas circunstâncias do que o homem. Por exemplo, acho que para uma mulher se enquadrar no termo golpista deve ser antes de tudo jovem. Se ela é jovem, está na idade de estudar, se formar, começar ou no começo da carreira de trabalho. Na maioria dos casos, quando ocorre esse "golpe" parece que fica acordado informalmente que o cara casa, mas a mulher cuida da criança. Isso implica, o marido primeiro, o filho segundo e a mulher por último. Consequentemente, muitas largam o estudo e/ou o trabalho pois sua principal obrigação é cuidar da casa e da criança. É uma espécie de dívida de gratidão. Só que o homem continua trabalhando e cedo ou tarde progride, afinal, tem uma esposa para cuidar de todo o resto. O homem só precisa trabalhar. Como a mulher não tem renda, tudo que o casal tem, por mais que a lei diga que é do casal, é visto socialmente como bem do homem pois foi ele quem comprou. Na hora do divórcio muita gente acha que a mulher não tem direito porque "não fez nada". Mas poucos são aqueles que contabilizam as perdas que a mulher teve porque casou nessas circunstâncias.

Eu acho, e aí posso estar falando uma baita besteira, que o golpe da barriga é um mal negócio para as mulheres e elas só percebem quando já estão casadas. Não acho porém que muitas mulheres façam isso de propósito. Algo do tipo maquiavélico "Tenho o plano perfeito, vou engravidar e ele será obrigado a casar e dividir seu patrimônio comigo, hahahah!" estilo vilã de novela da Globo. Acho que muitas são ingênuas a ponto de estarem bobocamente apaixonadas e pensam "se eu engravidar, ele vai, pelo menos, ficar perto de mim pra sempre". Algumas nem pensam em casamento ou em termos práticos. Afinal de contas, o que é uma adolescente apaixonada? Acho até que muitas meninas gostam tanto do cara que aceitam casar só para ficar junto do namoradinho e tomam resignadamente o papel de mãe e dona de casa como uma forma de agradecer o cara por eles terem se casado. Mas o que elas perdem? Uma liberdade que nunca tiveram, pois são ainda poucas as mulheres brasileiras que saem da casa dos pais para morarem sozinhas antes de se casarem. A juventude, não aquela que está aliada a beleza, mas aquela que te dá gaz para ter dois empregos, estudar e ainda ir para balada com as amigas na quinta-feira à noite (sem ter o braço quebrado por um mala, por favor). E independência, porque não dizer isso, pois ter o próprio dinheiro te deixa livre, por exemplo, para comprar aquela coisa super inútil e super cara que vc quer sem ter que dar satisfação para ninguém.

Tem uma lógica maquiavélica por trás desse "golpe da barriga". Sempre parece que o homem é aquele cara livre com um futuro brilhante que foi brutalmente interrompido pela aproveitadora que engravidou dele de propósito. Até parece que o cara não sabia das consequências de se fazer sexo sem camisinha. Eu não sei, mas chego a pensar que esse golpe seja mais praticado por homens do que por mulheres. Algo que o cara pensa "Eu quero sair da casa da minha mãe, mas ainda quero ter alguém para cozinhar pra mim e lavar a minha roupa. Hum, ter um filho também parece legal. Ah, bora casar então". E o melhor é que a sociedade ainda tá do lado do cara, então é como fazer a arte e ainda sair por cima.

Sabe o que isso me diz? Que tem alguém achando que as mulheres tem controle total de seu aparelho reprodutivo. Eu nunca soube quando estava ovulando ou não. E olha, vou contar um segredo. Os sintomas pré-menstruais são muito parecidos com os da gravidez porque vc incha, se sente casada, indisposta, algumas mulheres enjoam... Olha que sacanagem, a gente achando que tá pra ficar menstruada e de repende descobre que tá grávida. Mas enfim, as coisas não são bem assim, a responsabilidade de evitar o filho é dos dois. Então, se o cara transou sem camisinha porque a mulher disse que estava tomando pílula e ela engravidou, ele também tem culpa. Afinal, a pílula não é 100% infalível e a mulher não é 100% responsável. Ela pode esquecer. Mas parece que esquecimento nesse caso é proposital, né.

Por outro lado, se a pílula masculina sair mesmo e se os caras começarem a usar será que vai ter algum aproveitador deixando de usar só para engravidar uma mulher? Ou será que a história não vai continuar a mesma e a culpada vai continuar sendo a mulher que acreditou no cara e, de novo, engravidou porque quis?

Por fim, o que eu acho da pílula masculina: demorou! Mas, mulheres, continuem usando métodos contraceptivos e camisinha, afinal, o filho é o menor dos males. Você pode acabar casando com um aproveitador.

26 comentários:

My life disse...

Muito bom! Adorei seu texto. Concordo que na maioria das vezes as mulheres (jovens e adolescentes) se consideram apaixonadas e ingenuamente pensam que é para toda a vida.
definitivamente é um mal negócio para as mulheres. Exemplo de mal negócio foi a gravidez de Eliza Samudio do goleiro Bruno, seja lá qual tenha sido o motivo dela, amor ou golpe, encontrou um psicopata que decidiu matá-la para se livrar da pensão.
abçs
Nana

Glória Maria Vieira disse...

Drixz!
Nunca tinha pensando dessa forma, acredita?! Não que eu pensasse que a culpa era da mulher forever e que ela é a golpista. A gente sabe que tem delas e deles. Como costumo dizer: Há pessoas e pessoas.
Mas isso do homem querer manter a mordomia, só que com a autoridade acentuada, nunca me acometeu...

Bem pensado, viu?!

Anônimo disse...

Olha, eu não sei se é bem assim não..e se olharmos por outra ótica? O homem tem uma namorada, confia nela, que diz estar tomando pílula, e de repente...filho! É o que mais acontece por aí. E a menina que engravida "na inocência" pensando que o namorado vai ficar por perto é na verdade uma tirana, que determina o futuro do cara sem que ele possa opinar. "Você vai estar sempre perto de mim porque o que importa é a minha vontade". Sinceramente, o golpe da barriga é dos mais antigos da humanidade, a mulher quase sempre sai perdendo muito mesmo, mas por falta de reflexão. E depois a maioria delas tenta transformar a vida do cara num inferno após a provável separação. Pinta o quadro do monstro, inferniza as outras namoradas, chantageia o filho...procure observar!

Anônimo disse...

Eu caí nesse golpe.Não divido a culpa, depois de algum tempo namorando, ninguém aguenta camisinha!
Hoje está assumido, foi de propósito, e contra minha vontade.
Pago pensão, mas não convivo. Não posso fingir que sou feliz com isso.
É muito ruim pra mim, é ruim pra criança,pras famílias. e pra ela.
Vejo-a com maus olhos, me sinto um fracassado...

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

As mulheres querem sim agarrar um homem de qualquer jeito...E como foi dito no comentário anterior, fingem que tomam remédio e engravidam mesmo pra pegar o otário...Tenho um amigo q no primeiro mês de namoro engravidou a mulher, nem gostava dela...E ela disse q tomava pílula...O cara é gente boa, direito e agora virou escravo dessa mulher...faz tudo o q ela quer...Está deprimido, engordou, vai mal nos estudos, toma remédio...Uma criança concebida desse jeito é um ERRO...uma IRRESPONSABILIDADE...A mulher é'uma tirana....E ele pra fugir de tanta pressão já arrumou outra mulher...tem um caso com outra...A grávida pensa q pode controlar tudo...coitada....os xifres dela só se multiplicam...Mulheres que usam desse artifício baixo e vulgar pra mim n passam de uma coisa: FRACASSADAS....

Anônimo disse...

Creio ter sido alvo desse golpe. Também houve carinho no início mas apenas estivémos junto uns meses. Ela começou a deomnstrar ser uma pessoa muito baladeira e me enganava nas costas. Fizémos por apenas duas vezes e quando ela já tinha o que queria, acabou comigo. Agora tá de barriga e não me fala mais. Já tou preparado para assumir o bebé pois nunca fui pai mas ela fez uma grande sacanagem comigo pois eu era virgem ainda por cima... Fica o meu desabafo...Jovens, usem preservativo sempre!

Vanessa Santiago disse...

Nossa esse texto diz tudo...estou passando por essa situação engravidei...e ele joga na minha cara que engravidei de proposito....hj nem amizade consigo ter com ele...parabensssss

Anônimo disse...

Encontrei seu texto por acaso na internet e gostei muito. Super concordo com você. O golpe da barriga é um dos mitos mais divulgados pelo machismo, e é validado pela ideia de que a mulher é a única responsável por evitar a gravidez. Comentários como o do anônimo que disse: "E a menina que engravida 'na inocência' pensando que o namorado vai ficar por perto é na verdade uma tirana, que determina o futuro do cara sem que ele possa opinar" só provam o quanto alguns homens ( e até mesmo mulheres) têm uma noção distorcida da realidade. É claro que homens podem opinar e escolher se querem ou não ter um filho, por isso existe a camisinha, que os homens muitas vezes relutam em usar. A camisinha da poder de escolha aos homens, eles escolhem não usar e depois reclama das consequências, se fazem de vítima. Esses dias ouvi uma pérola, um cara disse que algumas mulheres catam a camisinha no lixo introduzem o esperma na vagina com as mãos, tudo para dar o famoso golpe da barriga. What? Bom, isso além de absurdo é, do ponto de vista científico, completamente impossível, por tantos motivos que dá até preguiça de explicar. Mas o cara disse que era, pq teve até uma novela que mostrou... Ah! Então tá! Se mostra na novela é pq é a absoluta verdade...
É cada uma que o machismo inventa.
Hanna

Drixz disse...

Pois, é, Hanna. Tem gente que só acredita no que lhe é conveniente. Freud costuma chamar de "racionalização", um dos mecanismos de defesa mais elaborados. Se vc reparar bem, tem comentários nesse post onde claramente o "anônimo" não leu o que eu escrevi e usa esse espaço para disseminar sua opinião. Eu poderia apagar, é claro, mas vejo isso como um ponto positivo. Apesar desse pensamento ser bastante comum, não tem sido tão aceitável pronunciá-lo abertamente.

Anônimo disse...

SEU TEXTO É MUITO FEMINISTA. MULHER QUE ENGRAVIDA HJ COM REMÉDIO DO DIA SEGUINTE, É POR DISPLICÊNCIA E IRRESPONSABILIDADE. A CULPA É DOS DOIS, MAS QUEM SE DÁ MAIS MAL É A PRÓPRIA MULHER, QUE ÀS VEZES DIZ ESTAR TOMANDO REMÉDIO OU NÃO TOMA MAIS E NEM LEMBROU DE USAR A PÍLULA DO DIA SEGUINTE. ME DESCULPEM, A CULPA É DE AMBOS, MAS AINDA ACHO QUE A MAIOR CULPADA É MULHER.

Anônimo disse...

De fato não existe golpe mais baixo do que o golpe da barriga. É típico de um caráter horrível. Por interesse financeiro, toma a decisão unilateral de colocar uma vida no mundo, sem que haja ainda um envolvimento sólido entre o casal. Estraga a vida de todos (pai, mãe, filho) pois não é uma família fundamentada nos conceitos verdadeiros de amor, de paz, de companheirismo, de lealdade, de carinho, etc. Leva muito homem ao fracasso e depressão. Mas a culpa não é só da mulher, é também do homem que resolveu confiar na mulher, por simplesmente acreditar nela ou por apenas burrice mesmo.
Vale ressaltar que não é só por dinheiro que mulheres tomam essas atitudes, existem aquelas maluquinhas que em um mês de namoro já é "meu amor" pra lá, "meu amor" pra cá. Desconfie, pois essas são as piores. E se você ou sua família tem dinheiro então....

Anônimo disse...

Em um comentário acima, você cita o fenômeno da "racionalização" e ao que me parece, ele se aplica bem à interpretação que você faz do tema, ao tentar justificar o injustificável. Você parte do pressuposto de que o homem, por não ter "obrigação" de tomar conta da criança, fica livre, leve e solto para evoluir, enquanto a mulher, por ter de "carregar o peso de cuidar das crianças", acaba se prejudicando. Isto fica bem claro neste extrato: "Consequentemente, muitas largam o estudo e/ou o trabalho pois sua principal obrigação é cuidar da casa e da criança. É uma espécie de dívida de gratidão. Só que o homem continua trabalhando e cedo ou tarde progride, afinal, tem uma esposa para cuidar de todo o resto."
Parece-me que você esquece que, pelo menos ao que observo, a grande maioria das mães ajuda no sustento do lar, pois trabalham. Para isso existem creches públicas e particulares. Assim, hoje em dia, não trabalhar geralmente é uma OPÇÃO e não uma OBRIGAÇÃO como você quer fazer crer no seu texto.
E se assim optou, como em qualquer outra decisão que se toma, deve-se arcar com as consequências. Se a mulher largou o estudo e o trabalho por opção e se separou nova (afinal, a sua premissa parte de uma mulher que pede pensão alimentícia para o filho ainda jovem), nada impede que ela retome suas atividades laborais, posto que o sustento dos filhos é obrigação de PAI e de MÃE. Como disse anteriormente, isso normalmente já acontece quando a mãe e o pai estão juntos, pois geralmente ambos trabalham, então porque essa premissa precisa mudar a partir do momento que uma das partes passa a administrar uma pensão que, inclusive, não é dela? Ora, a partir do momento que ela, mesmo sendo capaz, não trabalha e passa a viver apenas da pensão que é destinada aos filhos -- estes sim, merecedores posto que não têm capacidade laborativa --, está prejudicando sua prole, pois além de não colaborar com sua parte no sustento, está usurpando algo que pertence a seus próprios filhos! Isto, colega, só tem um nome: EXPLORAÇÃO! E para não ficar dúvidas, segue o significado do termo: "Ação de abusar ou tirar proveito de outrem, de coisa alheia, de situação etc" (fonte: http://aulete.uol.com.br/exploração)
Lógico, deixo bem claro que nada há que se falar daquelas que, mesmo recebendo pensão (ou, infelizmente, até mesmo sem receber pensão, porque também não estou aqui para defender pais irresponsáveis) também trabalham.

Assim, colega, não há qualquer fundamento na interpretação romântica que você faz do tema.

Um abraço,

Anon.

Drixz disse...

Caro Anônimo, pela característica do comentário, pressuponho que seja um homem. Vou respodê-lo contrariamente do que tenho feito com esse post, que a muito tempo deixou de ser uma outra visão sobre o assunto para se tornar veículo de desabafo de homens que se sentem injustiçados (e acabam lendo com pouca atenção o texto).

Quanto aos seus argumentos, tentarei ser bem pontual: Qual o tipo de mulher acusada de dar o golpe da barriga? A mulher jovem que ainda não acabou os estudos. As mães que ajudam no lar não são, muitas vezes, acusadas de darem o golpe da barriga, certo? Então não entram no caso do texto.

Falando de não trabalhar como uma opção, sugiro um passeio pelos dados do IBGE e do IPEA onde colocam o maior percentual de pessoas fora do mercado de trabalho e ainda são interpretados por uma equipe de analistas bastante competentes. Pois acredite, não é nada fácil para uma mulher que tem filhos ingressar no mercado ou voltar para ele.

Ninguém contrata uma mulher grávida. Procure pesquisar sobre o "teto de vidro" e os problemas que existem a inserção completa da mulher no mercado de trabalho antes de fazer parecer que é uma simples questão de vontade da mulher.

Fico feliz que acredite que o sustento dos filhos é uma obrigação de ambos, pai e mãe. Mas vale lembrar que os arranjos dentro do lar são exclusivos de cada casal e sim, ficar em casa cuidando dos filhos é sim um trabalho e serve principalmente para a reprodução da humanidade. Se a mulher não fizer isso em casa vai pagar para que alguém o faça, e acredite, não é barato. Nem todos tem condição de pagar e o Brasil não fornece a quantidade necessária de creches públicas como deveria.

Talvez seja interessante ler um pouco sobre o tema chamado "crise do cuidado".

PS: eu tenho dicionário em casa, mas obrigada. Mas fico feliz que muitos juízes de família não compartilhem da mesma definição de exploração que você.

Anônimo disse...

Achei legal seu ponto de vista, os homens não gostam de usar camisinha, e concordo que as mulheres sempre se dão mal com o "golpe da barriga", essa coisa de responsabilizar a mulher sempre é machismo sim, mas discordo em alguns pontos, pois conheço homens q sofreram por engravidar uma mulher, ficando ou não com ela, cuidando ou não do filho, pagando ou não a pensão, a dor de saber que uma criança pode estar sofrendo ou chorando sem a presença de uma família completa formada por um pai ou uma mãe pode ser de ambos, e um casamento feito com base numa chantagem de gravidez é sempre um tormento, tanto homens como mulheres devem evitar esse tipo de situação, usando todos os métodos contraceptivos possíveis, e infelizmente vou te dizer a mulher tem q se cuidar dez vezes mais, pq quem vai ficar com uma criança buzinando no ouvido é ela.

Anônimo disse...

Achei legal seu ponto de vista, os homens não gostam de usar camisinha, e concordo que as mulheres sempre se dão mal com o "golpe da barriga", essa coisa de responsabilizar a mulher sempre é machismo sim, mas discordo em alguns pontos, pois conheço homens q sofreram por engravidar uma mulher, ficando ou não com ela, cuidando ou não do filho, pagando ou não a pensão, a dor de saber que uma criança pode estar sofrendo ou chorando sem a presença de uma família completa formada por um pai ou uma mãe pode ser de ambos, e um casamento feito com base numa chantagem de gravidez é sempre um tormento, tanto homens como mulheres devem evitar esse tipo de situação, usando todos os métodos contraceptivos possíveis, e infelizmente vou te dizer a mulher tem q se cuidar dez vezes mais, pq quem vai ficar com uma criança buzinando no ouvido é ela.

Anônimo disse...

Lembre-se quem gera o filho na barriga e sente as dores do parto e a mulher ela sendo ingenua ou não todas independente da idade sabem disso.Portanto cabe a mulher que decide ter uma vida sexual e sabe que pode engravidar,se prevenir ,evitar que isso aconteça,porque isso e possível sim,e antes que alguma mulher se manifeste saibam que também sou mulher e sei que os métodos que temos hoje não são 100% seguros de fato,isto e verdade.Mas será que todos são tão ineficazes que falharão todos ao mesmo tempo?ou sera que tem mais propensão a que algo de errado se ela usa apenas um?e se recuse a usar um outro método ou melhor ainda mulheres que usam de forma abusiva a pilula do dia seguinte perdendo assim sua eficacia ,quando todos sabem que o indicado e usar apenas duas vezes POR ANO.A casos e casos quando se tem um relacionamento um namoro, noivado,casamento pode ate se aceitar o condição de foi acidental...pelo período de tempo a mulher relaxa! acha "ele me ama se acontecer ele vai aceitar" nestes casos pode se encaixar na situação do texto

Anônimo disse...

.Agora o que me diz desta situação real ocorrida com o amigo da minha prima: Uma mulher de trinta anos com um filho já,disse para ele que estava separada do marido, ela liga pra ele, pergunta onde estava, ele informa que estava na casa de outro amigo bebendo, ela foi até la acabou rolando um clima e chegaram as vias de fato.Ele no outro dia foi até a casa dela levar a pilula do dia seguinte chegando lá encontrou o marido que foi atende-lo ela disse que estavam separados mas o marido ainda vivia lá mentiu.Depois de um Mês ela ligou pra ele dizendo que estava gravida.(Detalhes 1ºO atual ex_ marido que se tornou ex devido a gravidez é advogado e ela o traiu com ele ainda em casa.2º O rapaz era na época estava ajudando o tio deputado federal na campanha ela achou que ele tinha dinheiro por causa do tio mas ele estava desempregado e esta ate hj).Ele acabou assumindo o filho mesmo sem o DNA, porque o menino nasceu parecido com ele. Sò que ele não a quer pois como ele diz foi apenas uma noite e por azar ela engravidou ele entregou a pilula e ela não tomou usou outros métodos mais evasivos e ate ilegais no desespero, mas mesmo assim ela se recusou em toma-los mesmo ele deixando claro que não queria o filho pois não gostava nem aconhecia foi apenas uma noite.Ela decidiu ter a criança mesmo sabendo que ele não queria, ela disse pra mãe dele que iria transformar a vida dele num inferno. Hj ele assumiu o filho mas não gosta dela ela não aceita que ele não queira ter nada com ela o ja roubou a habilitação dele proíbe de ir com a namorada ou com qualquer mulher na casa para visitar o menino , inventa que a criança esta doente quando não esta,liga todos os dias para ele pra encher a paciência e usa a criança por que ela e pequena tem acerca de dois anos, exige que ele va ver o menino.Vejo toda esta situação porque ele e amigo da minha prima e namora uma amiga minha, agora mulheres e justo uma menina tão boa como a namorada dele que e minha amiga de infância sofra por causa de uma maniaca que e capaz de usar uma criança pra chantagear e vcs ainda dizem que e feminismo? E justo que tantas outras mulheres sofram por causa deste tipo de mulher ou vcs ainda acham que não existem mulheres que engravidam de proposito?Pois eu lhes digo:pode sim não vamos ser ingênuas ao ponto de não acreditar pois o ser humano tem a maldade desde a sua meninice independente de gênero sexual. Temos a propensão para o bem mas também para o mal.

Anônimo disse...

E se em vez de engravidar elas contraísse HIV de quem seria a Culpa do cara que não falou ou delas que não exigiu o uso da camisinha?

Anônimo disse...

Eu li seu texto e concordo plenamente. Os homens têm um medo patológico de assumir responsabilidades e formar uma família. Antes de casa, meu companheiro dizia ser louco para ter um filho e depois que casamos ele passou a odiar a idéia, deixou as contas e as obrigações da casa nas minhas costas. Ele foi promovido e pediu o divórcio dizendo que eu era aproveitadora e que ele não ia dividir o dinheiro dele comigo. Detalhe: eu sempre trabalhei, limpei a sujeira dele, paguei as contas da casa sozinha e nunca engravidei em respeito à vontade dele. Conclusão: Perdi tudo que tinha conquistado na vida por causa do divórcio. Ele arruinou a minha vida. São todos uns moleques egoístas! Vamos deixar então que eles façam sexo com outros homens, porque só assim não correrão o risco de ter filhos. Honestamente, sou madura, independente e não preciso de mais um machista para destruir a minha vida. Homem só serve pra gente usar por uma noite e jogar fora. Não dá pra levar eles a sério.

Anônimo disse...

Eu era um cara livre que tinha um futuro brilhante. Infelizmente...

Anônimo disse...

Eu estou gravida de 29 semanas, ainda estou na faculdade me formaria em 2016. A minha gravidez foi por confiar no cara, um erro lamentável meu. A gente se conhecia a algum tempo, mas fazia pouco que estávamos ficando , até que um dia ele me pediu para não usar preservativo, eu disse que não, falei das possíveis doenças de forma delicada sem ofende-lo. Afinal estávamos iniciando um relacionamento embora já conhecesse ele algum tempo eu não sentia segurança em não usar camisinha. Expliquei para ele que eu não tomava pílulas, antes de ficar com o pai do meu filho, fazia um ano que eu tinha terminado um namoro de 5 anos e nunca tinha tomado pilulas, mas eu e o ex namorado nos cuidávamos de outras formas. Nunca tinha passado algum susto de ter engravidado. Mas o pai do meu filho, olhou sorrindo e disse: Linda, fica tranquila quanto a isso porque eu não posso ter filho, sou estéril, fiz um espermograma com o melhor médico, e os meus espermatozoides saem todos mortos. Então contando que ele é 12 anos mais velho que eu, e que já tem a independência dele, pensei: ele não vai querer me engravidar de propósito. Pensei também: ele já teve outros relacionamentos e com a idade que ele tem até agora não teve nenhum filho, ele não está me mentindo. Então fui tranquila, mas assim que fizemos o negócio fiquei grilada, e disse amanhã vou na farmácia comprar uma ´pílula do dia seguinte. Mas ele disse: porque linda, não acredita em mim, acha que eu iria te mentir, fica tranquila. Depois de um tempo eu não quis mais ficar com ele, e logo depois descobri que eu estava gravida de quase 2 meses. E ele queria que eu abortasse, depois me pediu desculpas e dizia que me amava e queria ficar comigo, eu fiquei com ele 2 meses e não aguentei conviver com ele. Ele disse que não deixaria eu terminar a faculdade, que mulher dele não ir a noite para faculdade, porque lá é lugar de curtição, disse que eu não iria trabalhar, que o meu lugar era do lado dele, ir onde ele levasse, e não deixava nem eu assistir TV, Tinha que ver o que ele queria. E as roupas ele queria que eu usasse calças largas e camisetas abaixo do quadril. Disse que mulher dele tem que ser bonita para ele. Como ele disse: não quero que vc use roupas que mostre tua beleza, qualquer roupa que te deixe bonita eu não vou deixar vc usar. Eu fui aguentando, aguentando, até um dia ele implicar DE CIUME com o filme da malévola, por causa do príncipe, E EU ME LEMBRAR QUE ELE NÃO QUERIA QUE EU VISSE GAME OF THRONES. Claro que isso não é o pior, o pior para mim era ele não querer me deixar terminar minha faculdade. Querer escolher as roupas que eu iria usar. Emfim agora deixei dele e ele está me incomodando muito, eu estava dando aula e parei por causa dele, tinha sido um pedido dele, porque eu estava trabalhando e estudando, ele disse para eu escolher um só. Deixei o emprego , agora não tenho o meu salario todo mês não terei licença maternidade, e meu filho nascer e não tem um quarto. Porque eu ia fazer um quartinho para ele com o meu dinheiro se eu não tivesse ido morar com ele e ter dado uma chance para que desce certo nosso relacionamento. Agora não tenho dinheiro, meu filho não tem quarto, e ele disse que não tem obrigação de fazer um quarto para nosso filho, e nem de dar nada, só depois que a criança nascer. Acho que ele teria que ter mais consideração comigo e o filho dele, e disse que se eu não quero ficar com ele, ele não está nem ai com filho, não quer nem saber. Agora eu preciso terminar minha faculdade, tenho meus custos, mas ele disse que não tem obrigação nenhuma comigo, se não estou com ele.

Anônimo disse...

Eu estou me sentindo muito magoada, triste, estou tentando não desanimar, para terminar esse semestre de aula.

Drixz disse...

Cara leitora,

Fiquei muito triste em saber da sua história. Acredito que como vc não está trabalhando, mesmo não tendo mais um relacionamento com o pai do seu filho, ele tem responsabilidades com vcs. Afinal, pela lei brasileira, o aborto não é uma opção desse caso, ele deve ajudar para que vc leve essa gravidez adiante. Procure um advogado. Mesmo assim, não deixe um orgulho te prejudicar. Ele tem que pagar pensão, vc e o seu filho tem direito.

Além disso, mesmo não estando empregada, vc tem direito a licença maternidade pelo INSS. Mesmo sendo um valor irrisório, pode te ajudar muito nessa fase. Espero também que vc tenha família ou amigos que possa te ajudar. Essa fase é muito sensível, vc precisa de todo apoio que puder ter. Pelo menos até poder trabalhar novamente.

Espero ter ajudado de algum jeito. Qualquer coisa continue em contato. Muito triste em saber que alguém possa fazer algo assim. Te desejo muita sorte daqui por diante.

Abs,

Anônimo disse...

A RESPONSABILIDADE DA GRAVIDEZ É TODA DA MULHER. MUITO FÁCIL FALAR USA CAMISINHA. QUANDO AS MULHERES DIZEM QUE NÃO GOSTAM, QUE SÃO ALÉRGICAS OU QUE TEM UM PROBLEMA NO ÚTERO E NÃO PODEM ENGRAVIDAR... TUDO MENTIRA. ENTÃO O CARA ACABA NÃO USANDO PRESERVATIVO ALEM DE CONFIAR QUE A MULHER PODE SER CUIDAR POIS TEM: Preservativo Feminino, Diafragma com espermicida, pilulas, Injeção, Implantes que liberam hormônios mensais, DIU e ate adesivo na pele.ENTÃO MULHERES APRENDAM A USAR ANTICONCEPCIONAIS, PQ SE ENGRAVIDAR COM TUDO ISSO QUE VOCES PODEM USAR EH PARA DAR O GOLPE DA BARRIGA MESMOOOO. SE O HOMEM TIVESSE TODOS ESSE MÉTODOS NÃO FARIA FILHOS NUNCA.

Anônimo disse...

O difícil é você assumir uma criança que você nunca quis ter por capricho de outra pessoa. É ser obrigado agora até a amar por que senão corre o risco de ser processado por abandono afetivo. Essascrianças que depois se tornam adultam e se acham no direito de conhecer sua familia biológica, suas origens porque descobrem que o pai tem dinheiro. Faça-me o favor. isso virou uma indústria de dinheiro. Acho que o judicíário deveria se limitar a julgar aquilo que lhe compete. Sentimento, afeto e família não é da sua alçada. Quando entra mulher no meio ela quer tornar o assunto parcial. Justiça não pode fazer interpretações emocionais e sim racionais. Acredito que a família tradicional deve ainda ser mantida. pois o mundo tá acabando com esses axcessos que o judiciário anda cometendo com familias estruturadas.