quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Dia 4

Ou 5

Hoje é O DIA PELO FIM DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Mas o que é a violência contra a mulher? Certamente não é violência entre mulheres. A violência contra a mulher é praticada por homens. Grande parte dela por homens conhecidos; pais, irmãos, tios, primos, cunhados, vizinhos, maridos. Isso é uma das razões que tornam a denuncia ainda mais difícil. Em outros casos ela é ignorada pois ainda temos resquícios do pensamento colonial onde o marido era proprietário da mulher.

Se os homens são os maiores agressores não podemos esperar acabar com a violência mobilizando apenas as mulheres. É claro que, se as minhas amigas que já foram agredidas não convivessem com tais babacas elas nunca teriam sido vítimas de agressão. Pena que muitas vezes não dá para prever tal tipo de comportamento. Como aconteceu com a Julia Roberts no dormindo com o inimigo (não é um bom exemplo, mas foi o que me ocorreu). Mas como convencê-los a "partilhar" harmonicamente a vida em sociedade e os papéis?

Existe uma resistência enorme contra os argumentos e até mesmo qualquer temática que possa resvalar em algo medonho chamado "feminismo". Muita gente diz que ele nem existe mais. Os autores "esclarecidos" colocam "movimentos de mulheres". Eu, particularmente não me importo com o nome desde que não se rejeite as idéias sem examiná-las. No meu ambiente de trabalho, a academia, vejo muita gente rejeitando xs autorxs feministxs e comprando as idéias de autores que se dizem "pós-modernista", que praticamente sugaram suas idéias da fonte feminista sem lhes dar o devido crédito. Eu, por exemplo, só consigo fazer mulheres concordarem com os meus argumentos. Isso porque posso me basear nas experiências delas. Toda mulher já sofreu uma "violência de gênero". Não quer dizer que os homens não tenham sofrido, mas talvez, para eles isso seja parte do "virar homem". De qualquer modo, uma violência simbólica é bem diferente de uma violência física.

Eu não sei como fazer para convencer os homens que é errado bater em mulher se para muitos eu nem tenho o direito de falar o que eu penso. A coisa para mim se torna mais difícil ainda de pensar quando lembro a negação enorme que existe do ponto de vista de assumir a existência do sexismo, da homofogia e do racismo no Brasil. Muita gente insiste em acreditar que vivemos na beleza da democracia racial e da miscigenação. Negar seja talvez um mecanismo de defesa que ajuda a esquecer aquela experiência ruim que a gente queria que nunca tivesse acontecido, mas ela aconteceu.

Não sei se vou conseguir chegar onde eu quero, mas vamos ver. Deve haver alguma explicação para a violência contra a mulher. Homens, tentem responder se existe realmente algum bom motivo para bater em uma mulher? Algum motivo que não faça você parecer um fraco, covarde, ignorante, descontrolado, abusivo, perturbado, mediocre, chauvinista, ridículo, ruim de papo...?

2 comentários:

Palavras Vagabundas disse...

Drix
muito bom, acho que sempre devemos estar falando no assunto não só hoje!
bjs
Jussara

Borboletas nos Olhos disse...

Oi, é um tema difícil, não é? Mas você o domina com coragem e intensidade. Bjs