quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Porque o aborto é tão polêmico?

Recentemente vimos pela rede centenas de boatos referentes a posição da candidata Dilma sobre o aborto. Independente da posição dela o que era visível no tom de grande parte dos comentários era algo insinuando que caso ela assumisse publicamente que era a favor teria sua candidatura ameaçada. Temos que admitir que grande parte da população assume publicamente que é contra o aborto, mesmo que não seja. Algo como "católico não praticante".

Porque isso acontece? É extremamente mal visto ser ateu assim como ser a favor do aborto. O caso do aborto é ainda pior, porque o ateu tem salvação, pode encontrar Jesus. Mas a pessoa que é a favor do aborto se torna automaticamente um criminoso em potencial. A palavra que vem à nossa mente é "assassino". Mesmo o argumento mais plausível parece ser descartado quando se trata de aborto. É uma opinião senso comum que impede a maioria da população de pensar realmente sobre o tema.

Quando se fala em legalização do aborto não se espera que TODAS as mulheres façam um aborto. Muita gente vê inclusive uma necessidade em regulamentar a prática. Outra questão que parece não chegar a mente da população é que mesmo com toda essa criminalização e desprezo pelas mulheres que abortam essa é uma prática que não tem queda. A unica coisa que aumenta é o número de mulheres que morrem em decorrência do aborto. Esse número não pode ser ignorado. Isso é uma pressão clara entre a verdade e o senso comum. A realidade diz que se não se tormar alguma providência mais e mais mulheres vão continuar morrendo. Não importa a sua opinião nem a do Estado. Elas continuam praticando o aborto. A questão é que quando a mulher aborta e morre são duas vidas perdidas, se ela sobrevive, pelo menos uma é salva. Se você acredita que deus não permite, deixe que ela se entenda com ele quando for para o paraíso, ou que vá para o inferno, seja lá o que que vc acredite. Mas não deixe que uma pessoa já viva e nascida morra por causa da sua intransigencia. Se você é contra o aborto o não pratique, mas tornar essa proibição uma lei torna você cumplice dessas mortes.

Parece pesado, não? Mas pesado é imaginar que todas as mulheres tem condição de apertar um pouco o orçamento e conseguir criar um filho. Injusto é imaginar que todas as mulheres acreditam em deus. Limitado é pensar que todas as mulheres podem catar papel na rua para o seu sustento com uma barriga de oito meses. Alienado é achar que todas as crianças colocadas para adoção terão uma vida digna. Eu acho injusto condenar mães e filhos a uma situação dessas só porque as pessoas não tem capacidade de se colocar numa posição dessas e pensar com franquesa "Será que eu, nessas condições teria um filho"? Muitas vezes as mães temem que seus filhos tenham o mesmo destino. Existem pessoas que não tem uma vida digna, mas pimenta nos olhos dos outros é refresco.

É muito confortável sentar na sua cadeira em frente a sua tevê de LCD e pensar que a sorte sorri pra todos e o que parece decente e deixa sua consciência tranquila condena mães e filhos ou a morte ou a miséria. Também podemos pensar em milhões de outras possibilidades. Uma menina estuprada pelo marido da irmã mais velha, única pessoa que ela tem no mundo, obrigada a obortar numa clínica suja pela família vai parar no hospital de base por complicações e acaba morrendo porque os médicos ficaram com medo de serem presos. Isso já passou pela sua cabeça?

Porque então o aborto é tão polêmico? Eu acredito que as pessoas não sabem a realidade do aborto no Brasil. No mundo inteiro ele não para de ser praticado com proibições legais. Tem gente que prefere impor as suas crenças achando que é o certo e o melhor pra todo mundo. A questão é que o aborto não fere você e se fere as suas crenças não o pratique. O que você tem feito pelas crianças abandonadas, pedintes, pelas mulheres de rua com seis filhos nas costas para proibir o aborto e dar a eles uma vida digna?

Um comentário:

Palavras Vagabundas disse...

Passeando cheguei aqui... concordo com você em cada linha que escreveu.
Aborto é problema de Saúde Pública e Educação, quem tá falando contra esquece, convenientemente, que o Brasil é um país laico. Em outro blog eu propus que quem é contra devia doar seus tempo em comunidades pobres, muito pobres, é ver meninas de 13/15 anos sem qualquer estrutura, grávidas e em geral desesperadas. Você disse bem: sentados em suas salas confortáveis com tres refeições por dia é fácil ser contra. Nesse debate não cabe qualquer proselitismo religioso.
Gostei e voltarei por aqui mais vezes.
Jussara