terça-feira, 30 de junho de 2009

Nerdices

Eu sinto um certo arrependimento por não ter investido mais nas minhas nerdices. Eu nunca vou tirar mais que 60 num teste nerd, isso se eu tiver um intérprete pq até onde eu sei não tem teste nerd em português ou francês. Eu estou mais próxima de cult do que de um nerd (isso é claro, aceitando rotularizações). Não sei exatamente o pq de ter abandonado minhas nerdices. Acho que não tinha tranquilidade pra ficar sozinha e desenvolvê-las. Eu parei até de desenhar. Me lembro muito bem que comecei fazendo ampliações do Asterix e dos menores personagens da revista e depois desenhava de cabeça o Mario Bros e os personagens do video game que eu gostava, mas sei lá, um dia eu larguei o lápis e nunca mais meu talento foi o mesmo.

O meu conhecimento em HQ foi o pouco que eu consegui extrair das revistas que meu irmão deixava dando sopa. Era caro comprar revistinhas e eu não podia me enturmar com os meninos onde eu morava pra comprar e rachar ou para ler as revistar porque pegava super mal, eu era menina. Em contrapartida era fácil enturmar com as meninas pra comprar o álbum da Moranguinho ou da Barbie. Acho que depois de um tempo perdi o interesse pelas HQs. Gosto ainda de algumas das mais elaboradas, mas prefiro os livros. Já estou tão desatualizada que nem me lembro os nomes das dezenas de ligas e grupos da DC e da Marvel. Gosto de desenhos animados, mas nunca tive tv à cabo em casa. Acompanhar qualquer coisa pelo SBT é pedir pra morrer. Primeiro vinham os apresentadores super talentosos antes dos desenhos e depois era dura ver o mesmo episódio 10 vezes ou voltar pro começo da temporada no penúltimo capítulo 3 vezes seguidas. Não era fácil como é hoje baixar ou gravar alguma coisa na tv. Depois perdeu a graça. Não tenho paciência para rever os Cavaleiros do Zodíaco.

No computador eu tbm sou uma negação. Depois que enfiei a impressora direto na tomada todos lá em casa entravam em pânico quando eu me dispunha a fazer qualquer coisa de mais complexa. O meu irmão partia o HD e fazia um monte de coisas, mas ele não explicava onde a gente podia gravar as coisas. Achava que era óbvio e depois dava chiliques quando a gente "bagunçava" a organização dele. Verdade era que o computador era mais dele do que de nós (o resto da família). Além disso eu realmente nunca tive paciência para fuçar as coisas. Eu sei o básico do meu computador e mais ou menos.

De vez em quando rio sozinha quando descubro um atalho que teria me poupado horas de um trabalho x que eu fiz do jeito mais jeca do universo. Acho que a minha vida poderia ser um pouco mais fácil com um pouco mais do "espírito" nerd. Como por exemplo, colocar todas as notícias que me interessam no rss. Eu ainda não entendi o processo. Acho que quem escreve as ajudas da informáticas partem de dois pressupostos: ou vc é um nerd que quer reprogramar a coisa do seu jeito ou vc é um completo ignorante que não sabe qual é o botão de liga e desliga. Enquanto isso eu tento vencer a minha preguiça e entender um pouco mais essa "tecnologia" toda e ver se ela realmente vai ajudar a minha vida.

2 comentários:

Prof. Pardal disse...

Nunca entendi essa história de que ser nerd é cool.

Drixz disse...

Poxa, vc não me acha cool?