segunda-feira, 27 de junho de 2011

Um menosprezo arraigado

Lembro de um posto da Luci (Luci, vc tá em alta aqui no café, hein?) onde ela falava das baixas expectavivas que seu pai tinha nela desde a infância e como era difícil ter uma auto-estima nessas condições. Pois bem, eu me identifico bastante com a Luci, entendo bem como isso é difícil.

Mas muitas vezes a gente só reconhece a injustiça desse tratamento quando está fora dele. Eu fui descobrindo aos poucos com ajuda dos meus amigos, na adolescência, e do Marcos, que algumas coisas eram ditas apenas com a intenção de me magoar. Porque alguém da sua própria família faria isso com vc é algo que eu sempre quis entender. Mas talvez haja uma explicação plausível, talvez seja inveja, quem sabe. Muitos acreditam que inveja é um sensação incontrolável e que pode crescer ao ponto de dominar uma pessoa. Por isso tantos amuletos na história tem como função afastar olhares invejosos, como a carranca, o olho grego, a pimenta vermelha...

O interessante desse tratamento é que vc pode não estar mais acostumada com ele, mas sua família parece julgar apropriado continuar te tratando como sempre tratou. Sabe quando os pais se recusam a ver que os filhos não são mais crianças? Então, é mais ou menos isso. Eu me choco toda vez que sinto na pele o menosprezo que minha família tem por mim. Eu não estou mais acostumada, vivo num ambiente saudável onde convivo com pessoas que gostam de mim e querem o meu bem, assim como eu o delas. O que é triste é que todo esse trabalho de valorização parece dar um passo pra traz quando acontece algo assim. Toda aquela infância difícil e traumática parece reaparecer num segundo quando vc houve um comentário ácido e invejoso desses. Claro que hoje eu sei como lidar bem melhor com isso. Solto uns três palavrões, o Marcos faz umas piadas malvadas a respeito, rimos um pouco e passa. Mas eu já aprendi que é preciso falar para me lembrar e quem sabe da próxima vez combater a raiva antes mesmo da pessoa invejosa terminar de falar, ou soltar uma bela resposta para desconcertar o mediocre.

Vou contar dois episódios que estão frescos na minha mente e que vou compartilhar para ilustrar meu raciocínio. Uma vez que estava ainda em Brasília passeando com minha mãe e não lembro o porque acabei comentando que não achava certo toda essa obcessão por comprar roupas, roupas de marca e etc. Ironicamente, nesse dia, eu estava com uma calça e um blaser de uma loja super chique de Brasília. Lembro que tudo que eu estava usando era de marca, menos o sapato. Mas só para esclarecer, eu nunca dei muita bola pra isso, eu compro roupas que me servem, e acreditem, isso não é fácil. Ou seja, quando acho algo do meu tamanho, acabo tendo que comprar. Mas não tenho muita variedade tão pouco sigo tendências, nem sei o que está na moda. Uso o que acho bonito, pago o que acho justo. Compro quando preciso ou quando posso. Mas enfim, para defender minha irmã (acho que estávamos falando da nova mania dela na época de comprar roupas) minha mãe disse que ela não precisava andar mal-arrumada como eu, e deu uma olhada de soslaio para mim. Ah, eu fiquei puta. Só porque eu não estava de salto, nem parecendo uma perua minha mãe disse que eu andava mal arrumada. Só pq não aliso os cabelos nem faço as unhas sou uma mulamba relapsa. Grrrrrrr

Tá, mas esse foi leve. Na maioria das vezes, os comentários são leves, o tom é que dói. A segunda foi ontem, quando conversava depois de quase duas semanas com minha mãe pelo skype. O skype é bem pouco privativo. A pessoa com quem vc conversa liga a câmera, vc se sente obrigado, por polidez, a ligar tbm. Mas quase ninguém usa fones, então, todos ouvem a sua conversa. Estava conversando com minha mãe, mas minha irmã acordou no quarto da frente e veio conversar comigo. Pô, legal, facilita. Eu não preciso ligar para todo mundo. Mas o problema é que as vezes as pessoas só querem falar delas e quando vc quer saber delas, elas não falam. Minha mãe fala pelos cotovelos, mas quando quero saber como está tenho que ficar perguntando os detalhes. É um saco. As vezes eu acho que não devo ligar pois ela não quer falar. Outro dia ela disse que estava sem assunto e do nada me solta que meu primo estava doente internado em São Paulo. Mamis é desse naipe. Mas enfim, fomos conversar e o Marcos estava na sala querendo assistir Family Gui. Eu saí para ele poder ver o programa. Minha mãe perguntou o que era e eu disse "um desenho". Ela perguntou então se eu conseguia assistir em sueco (como se o Marcos conseguisse), mas eu disse que era em inglês com legenda em sueco e que nós costumávamos assistir pois não entendemos os programas suecos. Mais tarde, na conversação entre eu, ela e minha irmã a minha irmã comentou que ela ia ser efetivada no emprego e que não teria mais tempo para estudar inglês. Bom, ela teve muitos anos de pensão do meu pai e de vida mole no estágio para estudar inglês e não estudou, foi o que eu disse para ela. E acabei comentando que aqui na Suécia falar inglês era essêncial. Claro, os suecos falam suecos, mas se vc não fala, eles falam em inglês com vc. Aí veio o comentário maldoso, minha irmã soltou um "como se vc falasse inglês". Como se ela falasse. Fala picas de inglês, não consegue nem jogar GTA e fica tirando uma com a minha cara. Fiquei passada. Eu passei um ano levando bronca de todo mundo naquela casa pq não ia lá lamber o ** deles no sábado pq estava estudando inglês e quando interessa me criticar parece que aquilo nunca aconteceu. Porque, minha gente, porque???? Eu mereço?

Fazer o quê? Deixar as pessoas viverem com a imagem que criaram de mim. E da próxima vez que me perguntarem algo sobre Londres, eu digo "ué, descobre vc sozinha, não fala ingês melhor do que eu?".

4 comentários:

Caso me esqueçam disse...

comigo, essa tensao toda eh com meu pai. acho incrivel como alguem pode tratar mal ou ser um puto com os proprios filhos, sabe. eu nao tenho duvida que meu pai me ama, que ele faria muito por mim, mas ele tem uma personalidade dupla, eu nao sei o que porra eh aquilo. eh uma mistura de alcoolismo, com genio ruim, com trauma de infancia... e quando a pior parte dele se manifesta (ou seja, quase sempre), eh um inferno.

quando eu tava pra vir pra frança, ele dizia (cheio de alcool) "meu amor, eu faço tudo por voce. se voce quiser, eu VENDO ESSA CASA pra voce ir pra frança, viu? eu VENDO!". e eu com aquela cara de "sei". dias depois (cheio de alcool), a gente pegou uma briga e ele disse gritando que "por mim VOCE NAO PASSA DE PORTUGAL" (eu tinha que fazer escala em port pra vir pra frança). esse eh meu pai. claro que dias depois ele vem cheio de amor (e alcool) e diz que venderia os rins pra que eu va pra fr... mas se eu lembro a ele "ah, voce nao disse que nao faria nenhum esforço pra eu ir pra frança, nao foi? ou eu tou enganada?" nao pode! senao uma briga vai começar em casa, sabe, e a culpa sera minha. adoro gente doida.

Caso me esqueçam disse...

"vc tá em alta aqui no café, hein?" pô, precisamos estar em alta em algum lugar pelo menos uma vez na vida, neh hehehe =*

Drixz disse...

Que isso, Luci! Olha o tanto de gente lendo o seu blog. Pelo menos ele faz sucesso. ;) hehehe

Glória Maria Vieira disse...

Ai, Drixz! A minha relação com meu pai nunca foi boa. Na verdade, me identifico bastante com a Chefa e com você em muitas coisas.
Painho toma todas também. Sempre teve a língua ferina e por aí, já viu, né?!
Enqnt minha irmã, hoje até vivo uma relação legal com ela, mas sempre arengamos muito, porque ela sempre se achou a rainha da cocada branca. Afinal de contas, ela também sempre teve plateia, né?! ENTÃO... Eu sempre fui a doente e ovelha negra. No mais suave, a desmiolada. Or!--'

Divago...