quarta-feira, 11 de maio de 2011

Do lado errado

Outro dia recebi um e-mail da minha irmã me contando as novidades. Entre outras coisas, ela me contou como vai minha cidade natal, Brasília. Uma cidade planejada, muito mal planejada. Eu digo e podem anotar aí, não sou Nostradamus, mas aposto que daqui há 10 anos Brasília será tão caótica quanto São Paulo é hoje.

Porque eu digo isso? O que vc espera de uma cidade que mal tem calçadas, mas a cada dia que passa destroe cada vez mais área verde para contruir ou alargar suas avenidas? E o pior, não investe num sistema de captação de águas pluviais decente e chove pacas lá. Hum... alguém consegue perceber a semelhança com São Paulo?

Bom, há uma outra semelhança (ou não) com São Paulo, o uso de carros de passeio como o único meio de transporte. De início, parece algo bom. Afinal, Brasília ainda não tem aqueles engarrafamentos de 3 horas ou os estacionamentos de 10 reais a hora. Ainda, mas logo vai ter. O que chamou a minha atenção foi uma manifestação ridícula que alguns idiotas de Brasília tentaram fazer contra o aumento da gasolina. Tudo bem que forçar os postos a emitir nota é algo que todo mundo deveria fazer sempre. Mas a situação não vai melhorar se a gasolina não aumentar. É só uma questão de tempo para o governo e os usineiros, petroleiros e outros eiros arrumarem um pretexto para subir o preço do combustível.

O que eu acho errado é combater o aumento do combustível achando que essa é o único problema. Quando você chegar no trabalho, seu carro não vai encolher e você não terá como colocá-lo na bolsa. O que vai fazer? Bom, o jeitinho que a gente acha é parar em cima da calçada, fila dupla, tripla, dar a chave para o guardador de carros e depois quando a polícia multa pq ninguém consegue passar, você fica puto e pensa "mas não tem onde parar o carro". Bom, se você pagar um estacionamento, tem como estacionar. Ah, não, mas é muito caro! Acho esse pensamento um pouco egoísta. É como dizer, eu tenho mais direitos do que quem tenta passar, do que aquele que espera a ambulância que está presa no engarrafamento que você causou por causa do seu carro.

A questão é, o brasiliense prefere fazer um esforço descomunal para conseguir comprar um carro e pagar todos os impostos que se estivessem sendo bem utilizados, deveriam oferecer uma alternativa mais barata, ou mais prática, para ele se locomover. Acho que no lugar de protestar abastecendo o carro com 50 centavos e exigindo nota, as pessoas deveriam se unir, como se unem na corrida da cerveja, e tentar ir ao trabalho de transporte público. Muitas vezes é impossível, mas nesse caso, uma comoção popular poderia exigir uma melhora e ampliamento das linhas. Ou quem sabe até plantar árvores perto das calçadas para melhorar as condições de caminhada, ciclovias por toda cidade. Mas qual é a primeira coisa que as pessoas pensam? Tornar mais barato o uso do carro.

Isso não deve e não vai acontecer porque o carro acaba exigindo muito mais dinheiro e manutenção do que todas as outras alternativas. Demanda muita infra-instrutura, espaço ocioso em estacionamentos e coisas afins. Isso é o que eu chamo de "pensando do lado errado".

5 comentários:

Palavras Vagabundas disse...

Drixz,
eu detesto dirigir, e o Rio não está muito diferente que São Paulo,
mas tive que utilizar meu carro durante toda minha vida de trabalhadora. Transporte público, nem pensar. Nunca está ho horário, não passa nem perto de onde trabalho e etc. O Brasil precisa de uma revolução de transporte público, infelizmente está longe de acontecer.
bjs
Jussara

Glória Maria Vieira disse...

Ai minha nossa! Era sobre isso que eu vinha falando com o conhecido meu hoje no busão. Nós falávamos exatamente dessa questão de abrir mão do carro e usar o transporte público, pelo menos alguns dias da semana, pra evitar gastos maiores com combustível, manutenção e etc, etc, etc, MAS o problema é que, confesso, nem eu, nem muita gente, parou pra pensar como você: se a demanda aumentar, forçará o melhoramento do transporte público, entretanto, sabe, aí é que está a questão por aqui... A linha do busão que eu pego é a pior. Para evitar gastos, o que é que a empresa faz? Disponibiliza poucos ônibus que, de todo modo, transportam o mesmo número de pessoas que mais ônibus transportariam.... Isso é tenso! Como o meu colega disse, eles não estão nem aí se estão transportando o passageiro sentado e de uma forma digna, a questão é só lucrar, lucrar e lucrar... =/

Caso me esqueçam disse...

por aqui, quando você trabalha a meia hora da cidade, eh normal que se consiga alguma carona. tem os sites e tal. acho otimo! nao sei como algo assim poderia dar certo no brasil, se daria... a parte chata, pra uma pessoa timida como eu, hihi, eh ter que interagir com alguem que eu nao conheço. mas neh? nao eh o fim do mundo, ainda mais quando se ve as coisas positivas: nao precisar dirigir, nao precisar se enfiar numa transporte publico, nao precisar gastar grana ou tempo procurando vaga etc etc.

Caso me esqueçam disse...

imagino o quanto tu deve ta feliz com o transporte dai!

Drixz disse...

Oxi, o q aconteceu com meus outros comentários? Eu não censurei nada, viu! Eles sumiram...