quinta-feira, 26 de maio de 2011

A globalização importa mulheres mais "baratas".

Muita gente não se atém ao fato de que a independência das mulheres da classe média brasileira se dá as custas da desvalorização do trabalho doméstico. Como isso funciona? Bom, eu acho que já expliquei em algum post lá atrás (e se lembrar de procurar, coloco o link aqui). Mas a questão é a seguinte, as mulheres de fato não conseguiram mudar muito a mentalidade da sociedade para que ela ficasse menos sexista, apenas transferiram seu trabalho doméstico para outra mulher enquanto a primeira sai para trabalhar. Como o trabalho doméstico é desvalorizado tanto pelo homem quanto pela mulher, as empregadas domésticas acabam tendo uma baixa remuneração e qualificação. E os homens no máximo "ajudam" em casa.

Aqui na Suécia podemos pensar as vezes que as coisas são bem mais diferentes. Que os homens aprenderam a valorizar a mulher e dividem o trabalho doméstico com elas. Talvez isso seja verdade, mas pelo menos aqui em Lund, existe um fenômeno que me faz pensar se o mesmo mecanismo funcione com personagens diferentes. Acho que ainda preciso observar mais e conhecer alguns casais onde a mulher é sueca e o marido é estrangeiro. Mas pelo que tenho visto até agora, os homens suecos que não se "adaptam" a independência das mulheres suecas, importam mulheres de países com uma cultura patriarcal muito forte, como por exemplo, o Japão, a Coréia e a China.

Como isso funciona? Bom, eu conheço 3 casos. Duas japonesas e uma coreana. Tem uma indiana que conheço que é casada com um sueco, mas ele é de família indiana, então talvez não conte para o "estudo". No caso das japonesas, ambas parecem estudadas, mas de famílias bem tradicionais. Ambas casadas com suecos numa boa situação financeira, mas elas tem as mesmas restrições, imagino eu, que uma mulher da sua classe teria no Japão, eu acho. Elas tem que pedir permissão para sair com as amigas, pedir permissão para ficar mais um pouco. Nós só podemos vistá-las quando os maridos não estão em casa. Uma delas não tem celular nem dinheiro. Tem que pedir tudo para o marido.

A coreana parecia ser mais independente, mas até certo ponto, pois fica responsável por todo serviço doméstico. Pode até parecer uma situação semelhante a que teriam em seu país de origem. Mas aqui estão sem a família por perto, podem ser exploradas com a desculpa da cultura aqui ser diferente. Por exemplo, as namoradas tem menos direitos que as esposas. Se o namoro termina o visto expira em 6 meses se a ex não arranjar um emprego. Mas os caras simplesmente não casam porque aqui na Suécia as pessoas não se casam. Namoram a vida toda, tem filhos e é isso aí. Mas a sueca tem direitos iguais aos do sueco, já as estranjeiras...

4 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Carlos Marques disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Ricardo Takeru disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.