quinta-feira, 26 de maio de 2011

A globalização importa mulheres mais "baratas".

Muita gente não se atém ao fato de que a independência das mulheres da classe média brasileira se dá as custas da desvalorização do trabalho doméstico. Como isso funciona? Bom, eu acho que já expliquei em algum post lá atrás (e se lembrar de procurar, coloco o link aqui). Mas a questão é a seguinte, as mulheres de fato não conseguiram mudar muito a mentalidade da sociedade para que ela ficasse menos sexista, apenas transferiram seu trabalho doméstico para outra mulher enquanto a primeira sai para trabalhar. Como o trabalho doméstico é desvalorizado tanto pelo homem quanto pela mulher, as empregadas domésticas acabam tendo uma baixa remuneração e qualificação. E os homens no máximo "ajudam" em casa.

Aqui na Suécia podemos pensar as vezes que as coisas são bem mais diferentes. Que os homens aprenderam a valorizar a mulher e dividem o trabalho doméstico com elas. Talvez isso seja verdade, mas pelo menos aqui em Lund, existe um fenômeno que me faz pensar se o mesmo mecanismo funcione com personagens diferentes. Acho que ainda preciso observar mais e conhecer alguns casais onde a mulher é sueca e o marido é estrangeiro. Mas pelo que tenho visto até agora, os homens suecos que não se "adaptam" a independência das mulheres suecas, importam mulheres de países com uma cultura patriarcal muito forte, como por exemplo, o Japão, a Coréia e a China.

Como isso funciona? Bom, eu conheço 3 casos. Duas japonesas e uma coreana. Tem uma indiana que conheço que é casada com um sueco, mas ele é de família indiana, então talvez não conte para o "estudo". No caso das japonesas, ambas parecem estudadas, mas de famílias bem tradicionais. Ambas casadas com suecos numa boa situação financeira, mas elas tem as mesmas restrições, imagino eu, que uma mulher da sua classe teria no Japão, eu acho. Elas tem que pedir permissão para sair com as amigas, pedir permissão para ficar mais um pouco. Nós só podemos vistá-las quando os maridos não estão em casa. Uma delas não tem celular nem dinheiro. Tem que pedir tudo para o marido.

A coreana parecia ser mais independente, mas até certo ponto, pois fica responsável por todo serviço doméstico. Pode até parecer uma situação semelhante a que teriam em seu país de origem. Mas aqui estão sem a família por perto, podem ser exploradas com a desculpa da cultura aqui ser diferente. Por exemplo, as namoradas tem menos direitos que as esposas. Se o namoro termina o visto expira em 6 meses se a ex não arranjar um emprego. Mas os caras simplesmente não casam porque aqui na Suécia as pessoas não se casam. Namoram a vida toda, tem filhos e é isso aí. Mas a sueca tem direitos iguais aos do sueco, já as estranjeiras...

4 comentários:

Anônimo disse...

Esta situação é bastante reveladora do quanto a preocupação feminista gira e torno da preocupação com outras mulheres, preocupam-se tanto tanto, que querem vedar o acesso a mulheres (e falam apenas em mulheres) asiaticas, é impressão minha ou isso chama-se... Machismo?
Mas enfim, que elas são incoerentes já pudemos verificar por diversas vezes. Escondem-se atrás da defesa dos direitos de igualdade para mulheres, mas elas não querem direitos de igualdade para as mulheres, querem é poder sobre as escolhas dos homens e poder sobre as escolhas das mulheres que não concordem com elas.As suecas deveriam casar-se com pobres camponeses tailandeses...ou filipinos, vietnamitas, chineses (lá, há mais homens do que mulheres), etc. Pelo menos enquanto o feminismo não invadir o oriente. Simples, não?

O melhor negócio do mundo é comprar uma feminista pelo preço que ela vale para revendê-la pelo preço que ela acha que vale. como vcs dizem meu corpo minhas regras os homens suecos namoram quem eles quiserem e casam com quem quiserem, engraçado que as mulheres suecas não fazem analise de si mesmas culpam os homens O feminismo é isto que se vê aí: misandria, irresponsabilidade e atitude ditatorial."

Que bom que os homens suecos estão começando a reagir. Tomara que façam muito mais.

Carlos Marques disse...

os homens estão de saco cheio de brigar com suas namoradas e mulheres, obcecadas pela extração do máximo de benefícios que conseguirem da relação, como se o amor fosse uma feira da fruta. Isso desgasta muito, principalmente porque homens tendem a ser emocionalmente mais frágeis.

Regras claras de comportamento tem vantagens enormes que o mainstream feminism cisma em ignorar. Quando a responsabilidade de cada um é clara, as esferas de influência de cada um pré-determinadas e imunes à negociação, isso LIBERTA as pessoas.

A gente fica preso na eterna disputa de quem faz o que e quem está explorando quem, todo dia, o tempo todo, por causa do feminismo contemporâneo. Isso é insuportável. O esquema tradicional, apesar de seus problemas, pelo menos nos permite paz de espírito e tranquilidade num mundo tão estressante.

Pelo menos cada um pode dormir tranquilo sabendo que fez sua missão, que sua parte foi cumprida. No esquema atual não, todos vão dormir pensando "será que não consigo extrair um pouco mais do namoro? Será que estou sendo explorado? Será que estou explorando?"

A questão da hipergamia feminina, presente em quase todas as espécies, também precisa ser considerada, mas não vou entrar nela aqui porque as meninas hoje em dia costumam ficar "triggered" quando as lembramos que biologia existe...

Anônimo disse...

Elas odeiam o homem ocidental sueco, acusam no de ser estuprador em potencial, abrem as pernas pros islâmicos e agora estão reclamando que eles estão largando elas de mão e procurando mulheres asiáticas?É assim que se implode um movimento feminista: silenciosamente e trazendo outras mulheres de outros países que venham somar com eles.

Ricardo Takeru disse...

O típico texto de quem quer causar. Repleto de achismos que eleva à condição de "estudo" (ao menos as aspas fazem jus!).

Acontece que quando as pessoas se tornam insuportáveis, e o feminismo (juntamente com boa parte das ideologias militantes fanáticas) tem o poder de transformar o que seriam pessoas amáveis e produtivas em controladoras obsessivas. Resultado: Os homens estão buscando relações mais saudáveis com parceiras potencialmente mais saudáveis.

Em breve conseguirão o que querem, terão um país somente de mulheres onde não poderão culpar nenhum homem por suas patetadas e que em breve se tornará uma utopia ditatorial.