sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Rede de mulheres

Houve um tempo em que muitos diziam não haver amizade sincera entre mulheres, que mulheres competiam umas contra as outras por tudo; as melhores roupas, pelo mesmo homem... Sim, as mulheres competem, quando não são amigas, ou quando tem que competir, como no meio de trabalho. Mas as mulheres se ajudam e eu me arrisco a dizer que acho que o fazem mais do que os homens. Quando cheguei aqui na Suécia, no meu primeiro dia de aula, um grupo de mulheres sentadas numa das mesas da cafeteria me convidaram para tomar café com elas, sem nem ao menos saber que eu era. E elas me disseram que estávamos todas aqui mais ou menos na mesma situação e que precisávamos nos ajudar.

O mesmo acontece com minhas amigas no Brasil. A vida corrida do dia a dia muitas vezes tenta nos engolir e ficamos sem tempo para os amigos ou para fazermos algo de que realmente gostamos. Então, quando alguém tem um problema, convoca as amigas e nós abrimos um horário na agenda, aparecemos de madrugada na casa de alguém, irritamos os vizinhos, vamos para o buteco na segunda, mas estamos lá quando é preciso. Uma vez eu fiquei acordada até de madrugada só para falar com elas no skype, mas a minha internet pré-paga acabou bem na hora de descobrir o que estava acontecendo com minha amiga.

Estou passando por um momento decisivo na minha carreira. Tenho menos de seis meses para decidir meu futuro profissional e ao mesmo tempo tenho que começar a produzir para ontem. Estava ficando louca, pois não dá para sentar com minhas amigas aqui na Suécia e pedir um conselho. Cada uma se formou num país diferente, numa área diferente. Então, mandei um e-mail para as blogueiras feministas (grupo do qual eu preguiçosamente faço parte), e foi surpreendente o número de respostas e bons conselhos de muita gente que está passando ou já passou pelo que eu estou passando. Daí comecei a pensar no poder das redes sociais. Lembro que quando minha amiga Lud falava, eu tentava imaginar e não conseguia.

Sempre fui meio tacanha e discrente no que diz respeito as redes sociais. Mas cada dia que passa dou mais um pedaço do meu braço a torcer. As redes sociais são um vetor forte de mudança social. Uma forma da sociedade civil se organizar. Não é à toa que o governo brasileiro sorrateiramente vem tentando cortar nossas asinhas internáuticas (mais informções aqui). Dizem até que os revoltosos libianos, egípicios e etc se organizaram via internet. A internet tem poder e se tudo der certo, cada dia vai poder mais.

Mais voltando as redes femininas, é impressionante como elas tem muito poder. Desde aquela antiga conversa de comadres à beira do fogão à lenha onde uma contava para outra "fala lá pro seu menino passar na minha cumadre Jandira e fala com o marido dela que ele arruma um trabaio pro menino". Até hoje quando eu vejo na rede uma blogueira com problemas arrajando advogada pela lista para cuidar de problemas jurídicos. Gente, isso é demais! Sim, porque mandar um e-mail para lista gera tantas respostas positivas. Eu já vi gente comprar carro por uma bagatela em outra lista que participo pq sabe, ninguém tava querendo explorar ninguém e ao mesmo tempo, vc sabe que a pessoa é de confiança, porque senão, não consegue mais fazer parte da lista.

Espero que as redes de mulheres cresçam cada vez mais e que muitas mulheres injustiçadas nesse mundo consigam fazer valer seus direitos! com uma ajudinha da internet, quem sabe? ;)

4 comentários:

Palavras Vagabundas disse...

Drixz, posso ser ingênua mas sempre acreditei que mulheres são agregadoras, só se tornam competidoras quando necessário. Com a internet essa agregação pode ser ampliada e muito. Não frequento redes sociais (preguiça...) mas não descarto de forma alguma seu poder!
bjs
Jussara

Mari disse...

Amigaaaa eu tb nunca engoli essa história de que não existe amizade entre mulheres; mesmo porque ao longo da minha vida, sempre tive o prazer de ter amigas muito queridas e presentes. Às vezes rolam brigas (eu e vc bem sabemos hahaha), mas isso é comum em qualquer relacionamento humano. Sou grata por ter amigas como vc e as outras calcinhas. Ontem fizemos uma rede de apoio pra Ju, que realmente tá precisando, e nessas horas que eu vejo como posso contar sempre com esse grupo que temos. Amiga, volta logooooo! Saudades! Beijos

Mariana disse...

Pô Drixz, também acho que as redes sociais são uma mão na roda!!! No meio da mulherada conectada tem também cada vez mais mães trocando informações e mais zilhões de coisas e isso não tem preço quando a gente ta longe de todas as nossas referências! Não é so a informação que circula mais rapido, a solidariedade também! Claro que existem alguns problemas bem sérios mas as vantagens ainda superam o lado negativo!

bjus!

Glória Maria Vieira disse...

Os homens têm esse péssimo hábito de jogar pra nós a batata quente, como se a deles também não assasse, né?! AUSHAUHSUAHSUAHUSHAUHSUAHS

Mulheres e homens só são competidores quando as situações exigem isso. Acredito, assim como você, na real amizade. E isso é lindo, né Drixz?!

E sobre as redes sociais... Ainda bem que elas existem. Porque uma das pessoas mais importantes da minha vida, eu conheci através delas. /ok, eu sou romanticazinha, mas é a mais pura verdade. AUHUAHSU hihi *-*