quarta-feira, 20 de abril de 2011

Pensando no Brasil

Gonçalves Dias escreveu sua Canção do Exílio enquanto estudava na Europa. Ele era filho de português com uma cafuza, expressão que eu realmente não gosto, mas para quem não sabe cafuzo é a mistura de índio com negro. Podemos assim dizer que Golçavez Dias era um legítimo brasileiro, como todo os outros.

Uma coisa engraçada de se estar fora do seu país e que vc entra em contato com vários estereótipos. Muitas das coisas que eu li na Identidade cultural na pós modernidade (Stuart Hall) e Crítica da imagem erocêntrica (Robert Stam e Ella Shohat) eu vi quase que na prática. Por exemplo, ouvir dos gringos qual lugar eles devem ir para ver mulheres de biquini no Brasil. Tipo, não interessa a cultura ou a História brasileira, o que importa são as mulheres, as festas e os biquinis. As pessoas não fazem a menor idéia de como é o Brasil, quantos habitantes, quais são as músicas típicas, e o que mais me entristece: não sabem nada da diversidade cultural brasileira.

Quanto disso é nossa responsabilidade? Eu vejo aqui na biblioteca pública de Lund, Gabriel Garcia Marques, Vargas Llosa, Isabel Allende, em sueco, inglês e espanhol. Mas não encontro nada sobre a Literatura brasileira. Nem aqueles super batidos como o Machado de Assis, o Lima Barreto, a Clarice. Talvez por isso eles não cheguem nem perto da dimensão cultural do Brasil. O que nós estamos vendendo? Sempre o Carnaval e só o do Rio. Festas, mulheres...

Aqui tem órgãos do governo que tem folders em pelo menos 10 línguas, mas nada em português. Porque os brasileiros sempre dão um jeito de se comunicar? Quando digo que sou brasileira, muitos pensam que falo espanhol. Todo brasileiro entende um pouco de espanhol e fala portunhol super bem, mas essa não é nossa língua materna e eu não vou falar espanhol por aí. Se é para praticar uma língua estrangeira, que seja o inglês, que preciso mais. Tudo bem que somos um dos poucos países da América Latina que não fala espanhol, mas nós somos o maior e o mais rico. A China é o único país da Ásia que fala chinês. Fico pensando se algum idiota começa a falar japonês com um chinês porque acha que é tudo a mesma coisa. Porque isso acontece?

Outra coisa que me intriga é que quando estamos aqui ouvimos sempre as mesmas perguntas de outros brasileiros: "Vocês vão ficar por aqui?" E logo em seguida uma série de dicas e propaganda tentando convencer você que ficar aqui é uma ótima idéia. Quando deixamos escapar que não temos vontade de viver aqui, as pessoas nos olham espantadas. "Como assim vc não quer viver na Suécia?". As vezes acham que estamos tendo uma má experiência, o que não é verdade. Eu não tenho dúvidas de que em muitos aspectos a vida aqui é mais fácil e melhor. Nós estamos vivendo aqui com o mesmo orçamento do Brasil e nossa casa é mais legal, podemos andar a pé a qualquer hora pela cidade, podemos comer uma série de coisas que não achamos no Brasil, podemos viajar para outros países por um preço bem mais acessível do que viajar pelo Brasil.

Mas sabe, as coisas aqui são tão certinhas, tão organizadas, que nem os suecos gostam. Muitas vezes eles parecem pessoas cheias de TOCs tentando se livrar da organização, mas não conseguindo. É relativamente engraçado. Eu gosto da vida por aqui, mas não sei se me encaixaria. Temos a sensação de que não precisam da gente as coisas aqui só continuam. Tudo bem que ainda precisam conhecer mais o Brasil e nisso eu poderia ajudar. Mas a imagem do nosso querido país não vai ser tão diferente até termos mais orgulho de quem somos e do que fazemos. E não ficarmos procurando uma remota ascendência européia para tentar ser tratado como um gringo na hora de viajar, isso é ridículo. Raras excessões são essas famílias multinacionais, a maioria está indo atrás de uma raiz que formou o Brasil, mas que não deve ser colocada acima da nossa história e do nosso país. Devemos sim nos sentir mal pelo tratamento que recebemos dos estrangeiros e fazer eles se esforçarem mais para nos entender e conhcer o nosso país sem entregar tudo de mão beijada. Eles chegam no Brasil com as mulheres dando mole, todos querendo conhecê-los... Acho que é um pouco de exageiro na hospitalidade...

Eu sei que posso fazer muito mais pelo Brasil, mesmo ele me maltratando. A experiência aqui ajuda a ver o que está errado no Brasil. Não que devamos seguir o modelo sueco, mas podemos refletir melhor sobre o papel do Estado. No Brasil ele é completamente inútil, mas aqui ele torna sua vida mais fácil. Você só precisa pensar em você, claro que tem que fazer a sua parte, mas não precisa implorar para conseguir o passe estudantil, ser humilhado toda vez que precisa ser atendido por um funcionário púclico, pagar um plano de saúde e ter um atendimento com a qualidade de um hopital público... Mas o Brasil precisa acordar. Não é só ganhar dinheiro que melhora a vida de uma nação. Não tem cabimento a gente sentir vergonha de exigir os nossos direitos. O povo é acuado pelo estado desde uma simples enfermeira até o policial. São eles que nos servem e tem um papel muito importante, não devem ser desrespeitados, mas nós não podemos ter medo deles.

Nós não temos que ter orgulho somente das coisas banais como palmeiras e sabiás, temos que ter orgulho de sermos um povo que trabalha muito, mas temos que ter vergonha de sermos um povo que trabalha também para fazer aquilo que o governo deixou de fazer.

4 comentários:

Glória Maria Vieira disse...

Drixz!
Eu sei que você já deve ter lido/ouvido e muito por aí que brasileiro só tem orgulho de sê-lo em época de Copa do Mundo, mas é a pura verdade, né?! É um pseudo-patriotismo. É um amor pela nação que eu nunca vejo noutras situações! Lamentável? É!... Contudo, é a mais pura verdade, né não?!:/
E poxa, eu fiquei passada quando li que aí na Suécia não tem nada falando sobre, ao menos, o Machado de Assis. Caramba! Eu já sabia que a imagem do Brasil aí fora era baseada em Carnaval e mulher, mas daí não sobrar espaço pra mais nada foi de doer... =\

Caso me esqueçam disse...

ixi, dois anos na FR e todos os cliches do mundo ainda sao ouvidos. quando vem meu nome escrito ou quando eu falo com meu sotaque latino, todo mundo diz "ola, muchacha". nao querido, eu nao falo espanhol, desculpa. ou "ah, vem do brasil?" e continua a frase em espanhol. adoro constranger as pessoas dando um sorrisinho e dizendo que no br a gente fala portugues.

e ao contrario de tu, eu nao quero voltar ao br. vivo muito bem aqui apesar da saudade, da tristeza, da solidao... viver assim eh muito melhor que viver com medo de estupro e assalto. aqui eu tenho oportunidade de conhecer outras culturas, outras pessoas, no br eh tudo tao limitado! em dez hras de carro eu ainda tou na PB! :/

Drixz disse...

As vezes é difícil entender porque tem tanta violência no Brasil. O país não tem inverno. Tem coisa mais maravilhosa? Temos comida fresca, verduras, frutas, variedade... Eu sei lá, não tenho nada contra a Suécia, mas acho que não sou dessas pessoas do mundo. Mas gostaria mesmo que as pessoas conhecessem a diversidade do nosso Brasil varonil.

luci disse...

ei ei, bora mesmo ver se a gente se encontra, viu? quando surgir qualquer embriao de oportunidade, me avisa! tah pensando em vir pra FR (ou quando tu ta pensando em vir pra FR...?)