terça-feira, 29 de março de 2011

Saudade...

Seria de se imaginar que estando longe de todo mundo eu estaria com saudades. É, realmente sinto saudades da possibilidade de sair para ver alguém, mas isso não quer dizer que o faria.

O engraçado é que sinto falta de uma pessoa que não está aqui há algum tempo, meu pai. Fico pensando em como ele reagiria a essa novidade de ter uma filha morando no exterior. Ele ia falar mau pra caramba, pois sempre achou que os estrangeiros só eram ricos as nossas custas, mas aposto que ia fazer o possível para me visitar. Eu me lembro muito dele por aqui. Não sei se é pelo fato de ter muita gente loura aqui, ou de ser frio, ou sei lá. Sei que eu ia fazer questão de pentelhá-lo. "Pai, aqui vc é igual a todo mundo, louro de olho azul". Ah, não sei explicar o que sinto, mas é lembrar que tem coisas que o meu pai nunca vai ficar sabendo, que eu nunca mais vou poder ligar pra ele e que ele nunca mais vai fazer nenhuma de suas piadas...

Talvez ele achasse um barato o fato de eu estar estudando sueco. Imagina, eu que demorei 10 anos para aprender a falar francês já estou entendendo muito do que os suecos falam (para minha surpresa). Sei que pode não servir para nada quando eu voltar para o Brasil, mas já me decidi, vou estudar bastante e tentar sair daqui falando sueco. E eu tenho um bom motivo. Se isso der certo eu vou falar 4 línguas. Isso não é o máximo? Como diria um ex-aluno, eu vou ser uma "troglodita".

Bom, no mais é só isso. Eu estou preparando um post mais complexo, denso e divertido, mas vai ficar para outra hora. Estou tendo um pouco de dificuldade para administrar 2 blogs e uma lista de e-mail que tem mais de 700 tópicos que eu ainda não li. Sim, eu tenho outro blog que conta mais sobre a vida aqui na Suécia, quem quiser ler, sinta-se convidado.

Hejdå

6 comentários:

Borboletas nos Olhos disse...

Ah, querida, eu sei e não sei do que você está falando. Não sei porque, além do óbvio - cada um é em si mesmo - não é do meu pai que sinto falta. Mas sei, um tantinho, porque quando cheguei aqui, eu sentia saudade não de algo, mas de poder algo, mesmo que não me fosse usual. Ah, não sei, eu só queria mesmo era te dizer que dessa vez eu não ri...fiquei foi cheinha de sal. Bjs!

Mari disse...

Amiga, com certeza se ele estivesse por aqui iria estar super orgulhoso de ter uma filha chique morando fora! =))

Saudades de vc!!!

Em junho estamos indo pra Londres e Paris, seria tão legal se vc pudesse ir pra Paris me encontrar... aí a gente finalmente ia cumprir aquela promessa do segundo grau! O que vc acha? Será que rola???

Drixz disse...

Amiga, eu estarei em Londres em junho. Quem sabe a gente se encontra por lá. Podemos trocar a tour Eiffel pela torre de Londres.

Palavras Vagabundas disse...

Drixz,
eu acho que algumas pessoas se vão mas ficam! Eu sempre penso no meu pai, ou melhor o que ele acharia disso ou daquilo, gosto de pensar que ele de alguma forma sabe. Vou lá conhecer o outro blog.
bjs
Jussara

Glória Maria Vieira disse...

Ah minha querida!:/ Entendo perfeitamente a tua saudade, viu!? Tenho sentido... Da minha mãe especificamente. Ela, graças a Deus, está por aqui, mas longe de mim. E a distância, apesar de necessária, dói, né?!:'~

Ai... ai!

Drixz disse...

Como uma tia minha me disse, essa é uma saudade que nunca passa, fica apenas menos doida.