segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Em busca da fama

Essa palavrinha, fama, tem uma conotação extremamente negativa no meu vocabulário. Principalmente porque (coincidência ou não) sempre me lembro dos BBB's quando penso nela. O que é um BBB? Alguém que passou 3 meses, ou menos, infurnado numa puta casa, sem acrescentar nada de novo ao público a não ser suas partes íntimas e ficou famoso. Um BBB pra mim tbm é alguém que reforça algum esteriótipo. Quando pensamos em pessoas que participaram do programa é sempre assim: uma penca de mulher boazuda que só diferencia das outras pela cor do cabelo, um gay, um velho, um cowboy, uma sapatão... Tudo isso pra quê? Alcançar a fama "vazia" porque essas pessoas, em geral, não tem nada que justifique o "estrelato", assim como a maioria dos globais.

Hoje em dia, entretanto, a fama alcançou outros meios, como era de se esperar. E sobre isso eu ainda não sei exatamente o que pensar. Por exemplo, os blogueiros progressista. Muitos deles já eram famosos antes de terem seus blogues. Porém, o que mais me intriga é que como muitos deles trabalhavam com a mídia comum, não acrescentaram nada de novo ou diferente em seus blogues - continuamos, de certa forma, sendo influenciados pela "grande mídia". É certo que existem blogues famosos que representam vozes distoantes, mas eu me pergunto, aqui dentro, quais tem maior impacto?

Porque todas essas questões? Bom, tudo começou com um e-mail sobre uma fofoca que li numa lista que participo. Não lembro bem do que se tratava, e não acho que deva reproduzir uma fofoca, mas a questão que me intrigou é que dentro de um meio bem alternativo as pessoas ainda discutiam a capacidade intelectual de uma mulher apenas porque tal mulher era conhecida por ter páginas de sucesso na internet. Eu achei bem engraçado o tom de quem contou o causo. Porque por mais que a pessoa insistisse que não estava desdenhando a vítima da fofoca, não conseguiu disfarçar o tom nem por escrito. Daí eu percebi que parece não importar o meio, as hierarquias da "fama" parecem repetir a mesma formula: Você tem pessoas fomosas por sua capacidade; pessoas famosas por sua beleza; pessoas famosas porque estão na hora certa, no lugar certo e com as pessoas certas (ou porque são filhas das pessoas certas), e tem pessoas que não são famosas, dentre essas, muitas queriam ser e fazem questão de exercer "o lado ruim da fama".

Um comentário:

Glória Maria Vieira disse...

Olha, Drixz! Eu acho que o BBB não acrescenta nada ao telespectador, sabe?! Tipo: se fizer uma análise mais profunda, acaba encontrando algum adicional como: Há pessoas que não fazem tudo por dinheiro por ex. Que não deixam seus valores de lado por "1 milhão de reais"... e por aí vai. Eu gosto de assistir. Seria hipócrita se dissesse que não. Pra mim, é um programa "passa-tempo"... Se bem que há uma porrada de coisas legais pra se passar o tempo além de BBB, mas BBB é uma boa se você quer poupar sua mente... Sei lá!:~