quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Completamente sem assunto

Eu já li diversas crônicas sobre falta de inspiração. Numa delas o cronista até ensinava truques para se escrever quando não se tem nada para escrever. Mas infelizmente eu não sou cronista. Não dá para transformar o verdadeiro vazio da minha cabeça em algo engraçado.

Para falar a verdade eu ando mesmo preocupada. Tudo bem que a minha profissão não exige que eu seja muito criativa e talz, mas na minha vida toda sempre fui capaz de fazer ou comentários inteligentes ou engraçados sobre as coisas. Hoje em dia entro numa roda para conversar e o meu cérebro tá tão devagar que só ouço o pã! dentro dele como um pc dando pau.

Eu tive a capacidade de esquecer num conto de 82 páginas onde o cara tem uma relação sexual com um sargento e conversa com uma travesti chamado Isadora que isso acontecia. Simplesmente apaguei. Como eu consegui esquecer justamente a parte interessante, o motivo do conto?

E não para por aí, as idéias boas as interpretações interessantes e perspicazes já não me pertencem mais. Eu pareço o Edward Norton no clube da luta, mas ao contrário dele eu durmo só que parece que estou acordada. Tenho pesadelos com coisas do dia a dia, acordo achando que arrumei a mochila à noite e vejo que ela está bagunçada como estava quando cheguei em casa.

Que loucura! Alguém pode dizer "Vc deve estar trabalhando muito". Eu digo "Jura?". Se eu pudesse escolher (pq tem gente que pode e escolhe trabalhar), mas euzinha aqui, se pudesse trabalharia somente 4 horas por dia. No máximo 6 e só 5 dias por semana. Mas minha esperança está na semana que vem acho que vou conseguir adiantar as aulas e ficar só na tranquilidade nas semanas seguintes. Talvez até o meu cérebro volte a funcionar.

5 comentários:

Bruna Lucena disse...

sim, o trabalho em excesso faz muito mal. massss, ainda bem que você respira mais fundo quando escreve em seu blog mulher!

Georgia Martins disse...

Odeio textos sobre "falta de inspiração". Uma vez era novidade, nossa, que interessante, o cara não sabia sobre o que escrever e - pasmem - escreveu sobre não saber o que escrever!
UAU!

Mas meu... 20 mil textos/cronicas/artigos depois isso ainda é assunto??? Se não sabe sobre o q escrever não escreve, pronto...

Uma vez fiquei assim igual vc... Até chorava de desespero qdo esquecia uma coisa tipo óbvia. Passou, depois do vestibular.
Vai passar pra vc tb ;)

Sheryda Lopes disse...

É muito ruim mesmo quando a gente entra nessas de não ter sobre o que escrever, ou quando esquece coisas interessantes que poderiam ter virado pauta do blog. É triste ver nosso blog desatualizado, não é verdade?

Só uma coisa: a gente não diz "o" travesti, e sim "a" travesti, por uma questão de respeito à identidade de gênero da pessoa, que tem muito mais a ver com a feminina. A maioria das pessoas não sabem disso, mas é bem desrespeitoso com elas.

Adoro seu blog!

Rita disse...

Bem-vinda ao clube dos estressados.

Mas não é que você encontrou sobre o quê escrever? Gostei.

:)

Drixz disse...

Nossa, até que rendeu a minha falta de assunto... hehehe Bom, tenho que concordar com a Sheryda, mas não foi por mal. Acho que mais por falta de hábito se escrever essa palavra, não tinha intenção nenhuma de desrespeitar ninguém. Agora ficou a dúvida: como será que o Caio Fernando Abreu escreveu?...