quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Proselitista é a lei

"Art. 33. O ensino religioso, de matrícula facultativa, é parte integrante da formação básica do cidadão e constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, vedadas quaisquer formas de proselitismo." (LDB)

Eu acho um absurdo o ensino religioso ser obrigatório. Não importa qual seja a religião em foco. A importância da religião na vida das pessoas e pessoal e relativa. Ensinar isso na escola já é algo tendencioso. A religião não deveria interferir na vida em sociedade. Já basta esse bando de político retrógado proibindo pesquisas e interferindo na ciência com argumentos puramente religiosos ainda temos que ensinar as nossas crianças que a religião é importante para a sua formação. Melhor ensinar direito constitucional.

Posso estar parecendo radical, mas atente ao exemplo: Considerando religião numa definição bem simplista da wikipédia "A Religião (do latim: "religio" usado na Vulgata, que significa "prestar culto a uma divindade", “ligar novamente", ou simplesmente "religar") pode ser definida como um conjunto de crenças relacionadas com aquilo que alguns humanos consideram como sobrenatural, divino, sagrado e transcendental, bem como o conjunto de rituais e códigos morais que derivam dessas crenças."

Se vc partir do pressuposto de que a família é uma das maiores responsáveis pela educação religiosa da criança e se os pais dela não acreditam e nada divino ou sobrenatural a escola não deveria respeitar a crença da família? A educação religiosa tem que entrar no currículo somente naquilo onde influenciou na história dos povos que compõe a nossa identidade. A própria lei fala de proselitismo, mas para mim tornar o ensino religioso como uma matéria separada e obrigatória já é proselitismo.

2 comentários:

Mari disse...

Amiga, beleza, mas tá escrito "O ensino religioso, de matrícula FACULTATIVA"... ou seja, não é obrigatório =) Faz quem quer.

Drixz disse...

Só que o resto do artigo coloca que é parte integrante da formação do cidadão e constitui discisplina nos horários normais e blá, blá blá. Ou seja. Ela existe, mas o aluno não precisa fazer.