sábado, 19 de outubro de 2013

A difícil tarefa de ensinar o feminismo


Ser feminista e ser professora tem muito em comum. Primeiro porque ambas temos que ensinar algo a quem não sabe ou desconhece o que estamos falando. Melhor dizendo, temos que mostrar o caminho para que o “aluno” descubra por si mesmo e veja de forma crítica algo na ordem vigente. Além disso, ambas temos que lidar com toda sorte de perguntas. Parece que os rótulos “feminista” e “professora” autoriza todo o tipo de interferência e juízo de valor a respeito da sua vida privada, por exemplo.

Quando estamos na posição de professoras, conseguimos entender determinado tipo de curiosidade dos alunos, afinal, eles nos veem com uma certa frequência e são habituados à ideia de que devemos fornecer respostas para suas perguntas. Dependendo da idade, não sabem o que podem e o que não podem perguntar ao professor. Mas já em relação ao meu feminismo, muita coisa me estranha, pois ser feminista é uma posição política num sentido bem amplo. Mas a política é a última coisa que querem discutir conosco quando nos “assumimos” abertamente feministas. Passamos por um exame instantâneo de raio X, onde nosso observador, muitas vezes abre mão da discrição em nos observar. Seria como se a primeira impressão que passamos, devesse ser reavaliada, pois aquela afirmação “feminista” mudasse tudo. Eu achei que depois de anos me habituaria a isso, mas devo confessar que não é tão fácil. De repente, todo o resto fica escondido debaixo do rótulo “feminista”.

Não é preciso dizer o que o senso comum pensa de uma feminista, mas para não pecar pela falta, colocarei aqui: feminazi, encrenqueira, sapatão, mal amada, mal comida dentre outros. Saber que alguém está te reavaliando para saber o quê de feminista você tem é, muitas vezes tentando encaixar um desses adjetivos no seu perfil. Há de se convir que não é muito agradável. Ao mesmo tempo, acredito eu, ser abertamente feminista é um exercício de paciência, pois requer muito estudo. Não digo que toda feminista vai precisar de um PhD em feminismo, mas o estudo ajuda muito no jogo de cintura que devemos ter no dia a dia. Principalmente para escutar todo o tipo de besteira e ideia pré concebida que as pessoas não falam normalmente, mas pelo fato de nos dizermos feministas, parece autorizá-las a serem racista, preconceituosas e, muitas vezes, apenas obtusas mesmo. A conversa vai girar sobre feminismo e muitas vezes será uma batalha. Muitos interlocutores querem nos convencer que estamos procurando cabelo em ovo. Que o feminismo é uma piada. De todas as coisas estúpidas que iremos ouvir (e ouvimos), ou colocar algumas aqui:

-       Não tenho nada contra o feminismo, mas “presidenta” é um exagero, além de muito feio.

-       Eu não concordo com o feminismo, pois colocar as mulheres dominando os homens é trocar 6 por meia dúzia.

-       Eu sou super feminista, pois nunca bati em mulher.

-       Não vejo nada contra o feminismo, mas não custa nada passar um esmalte e se arrumar, não é verdade?

-       Eu não entendo essa conversa de que ser feminina não combina com poder.

-       Ah, qual é, toda mulher quer um homem para tomar as rédeas.

-       Não me entenda mal, eu não sou feminista, só tenho simpatia pela teoria. Mas não sou uma dessas radicais.

-       Essa lei Mª da Penha é uma palhaçada, pois agora, qualquer mulher louca e ciumenta pode colocar um homem na cadeia, mesmo se o cara não tiver feito nada.

E por aí vai. Poderia ter colocado muito mais, mas acho que já deu para sentir o drama. E aí que está o meu ponto. Você pode ignorar e não perder o seu tempo com isso, afinal, nossas discussões estão a anos luz desses pontos. As questões de gênero não são ignoradas na maioria das agendas políticas nacionais e internacionais. Mas você pode perder o seu tempo tentando furar a pedra da ignorância “popular”. Não vou dizer que conseguirá, nem que será fácil, mas pense em quantas pessoas que falam frases assim ou pensam assim e ocupam posições de poder? Ou quantas já pensaram assim, mas mudaram seu ponto de vista? Nem todas nós sempre fomos feministas, eu, por exemplo, não. O que me fez mudar? Alguém que teve paciência de dizer “Opa, peraí, isso que você está dizendo não é bem assim...”

Tal como um professor, sabemos que a maioria dos nossos alunos vai continuar sendo mediano, mas quando sabemos que alguns poucos serão brilhantes e que tivemos uma pequena parcela de responsabilidade nisso, acho que vale a pena ser vigário e discutir a missa.


5 comentários:

marcio ramos disse...

... muito legal seu texto, eu sou grato e sempre leio os textos das feministas mas sinceramente eu so não sei que tipo de estudo vc se refere, porque um alagoano criado naquelas cidadezinhas na década de 20 do sec passado veio ate SP e teve filhos e uma das meninas disse uma vez, mas pai eu nao vou ali dar o recado pro Pedro pq dentro do bar so tem homem, ao que o alagoano retruca, pois vc é o que? não é mulher não? pois vá la e fale... e lá se foi minha mãe enfrentar a vida...

Drixz disse...

É, Marcio, o aprendizado as vezes é para nós mesmas. Eu, por exemplo, detesto lidar com pedreiro e afins. Passei por poucas e boas com eles pois eu falava uma coisa e eles esperavam o meu marido dizer "sim, é isso mesmo" para depois cumprirem a ordem. Mas a gente vai aprendendo.

Obrigada pelo comentário. ;)

Patty Kirsche disse...

Confesso que é difícil ter paciência. Eu já cortei relações com pessoas que tentavam destruir o feminismo sem conhecer. Minha última terapeuta chamou o feminismo de "briga com os homens" numa sessão. É um negócio tão entranhado, é complicado. Confesso que prefiro me afastar de gente com a mente fechada.

Glória Damasceno disse...

Ah, Drixz, eu também não nasci feminista, mas me esforço para anular meus pré-conceitos e sê-lo por inteiro. Tenho uma amiga que diz que eu não sou feminista, por eu ter uma ideia romantizada de algumas coisas, a exemplo. Mas não acho que isso invalida meu feminismo, que é tão em essência o desejo de ser respeitada enquanto mulher. Né?!

Drixz disse...

Eu, às vezes também perco a paciência, Patty, mas não acho que exista saber universal, e certamente cada um tem sua experiência de vida, que o deixa mais ou menos aberto a novas maneiras de encarar o mundo. Na dúvida, conte até dez. ;)