terça-feira, 5 de maio de 2009

Saudade

Eu sinto de vez em quando da minha meninice. De desenhar florzinhas nas margens do caderno. De copiar o cabeçalho. Da felicidade imensurável de ouvir o sinal do recreio. De engolir um picolé brigadeiro de ficar com o dente doendo só pra não dividir com a molecada do parquinho. De ouvir o muleque gritando no final de semana embaixo da janela "Olha o Coreeeiooo". De querer ir ao clube todo o domingo. De bricar de elástico. De pular corda. De festa na escola. De ter no máximo que estudar pra prova. De ser caloura. De ser tudo novo. De gente nova. De calourada. De aula boba de gramática. De linguística, de sociolinguística, de gerativa. Saudade de bater papo com as meninas entre as aulas. De matar umas aulinhas de vez em quando pra jogar truco. Outras para badalar. Muitas para dormir mais um pouquinho... Saudade de ficar à toa no Ceubinho. Ai ai... Saudade dos tempos tranquilos.

2 comentários:

La Berçot disse...

eu sei como é esse tipo de saudade. E o dia de ontem intensificou isso em mim.

Strepsiades disse...

é a condição humana, xuxu... é a nossa eterna condição humana... >=/