segunda-feira, 30 de março de 2009

Espaços vazios

Um dia vi uma palestra da Viviane Mosé. Aquela filósofa que explicava filosofia no Fantástico (eu adorava o programa dela). E nessa palestra ela estava falando sobre os desafios da educação e que ler em sala de aula com os alunos era preciso. Além disso, ela comentava um pouco sobre a leitura na graduação. Para ela, as vezes é melhor ler menos e com mais atenção do que entupir os alunos de textos os quais eles não terão tempo nem espaço para discutir, interpretar ou dialogar. Ela falava da necessidade de 'espaços vazios' no cérebro para circular as idéias. Como se você, com a cabeça vazia, pudesse girar uma idéia, alargá-la, diminuí-la e etc. Essa idéia me marcou bastante pois eu sempre tive um sentimento de culpa por achar que deveria sempre ler mais e mais. Mas na verdade, acabei concordando com ela, o desafio é ler melhor. Infelizmente não estou conseguindo muitas brechas na minha cabeça para circulação de idéias...

3 comentários:

Strepsiades disse...

Mas o espaço tem uma plasticidade linda. É só expandir que abre mais espaço >=) Eu acho, que o problema mesmo é só um: tempo.

Drixz disse...

Talvez seja esse mesmo. Mas é outro assunto. Hoje a informação abunda e o tempo para interagir com ela só diminuí. É foda isso.

Paulo Rená da Silva Santarém disse...

Andei escrevendo sobre complexidade e necessidade de "menos" para poder "mais".

Agora diz se eu consigo diminuir as coisas que eu faço! ;)