quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Exatas x Humanas = todos saem perdendo

Não é preciso demorar-se muito no meu blog para constatar que eu sou das humanas. Sempre gostei de ler, de artes, de história e geo-política. Nunca me dei bem com números e, devo confessar, certo tipo de lógica matemática me desconcerta. Entretanto, consigo fazer árvores gerativas de deixar alguns chocados. Embora atualmente, posso dizer modestamente, que minhas atividades são compostas de um tanto de crítica literária e outro tanto de prática docente.

Começo o texto falando de mim não por acaso, mas porque tenho grandes amigos que fazem parte desse misterioso e também fascinante universo da chamada "Ciência", ou "Exatas" como muitos erroneamente insistem em chamar. Eu, inclusive, sou casada com um biólogo (uma das disciplinas mais humanas das exatas). Devido a minha experiência pessoal, muitas vezes ouvi sem ter como revidar, ou por medo de perder os amigos ou por falta de maturidade intelectual, argumentos do tipo "as humanas não servem para nada". Ou, "eu até entendo a psicologia, mas literatura... afe!". O que sempre me intrigou é que muitas dessas pessoas aversas às humanas gostavam de ir ao cinema, ler um livro, assistir um concerto ou ver uma exposição, mas era incapazes de associar uma coisa a outra.

Cheguei a pensar que era um pouco de inveja, pois nós fazíamos algo de que realmente gostávamos e todos partilham do pensamento comum que trabalho só serve para ganhar dinheiro e tem necessariamente que ser chato. Se você gosta do seu trabalho, deve haver algo errado. Para resolver o problema dessa "equação" supõe-se assim que nós não trabalhamos. O que é, no mínimo, errado.

Outra possível explicação para o problema seria dizer que o pessoal das exatas acha que as humanas não servem para nada porque não as entendem, daí também não entenderem sua utilidade. Eu vou tentar exemplicar para que serve a literatura no final desse post, mas antes gostaria de pedir uma "licença histórica".

Vou atribuir o início do ensino como algo institucionalizado aos gregos, simplesmente porque compreendo mais a História a partir deles. Enfim, na Grécia havia a principal "disciplina" ou área do conhecimento que era a filosofia. Dela faziam parte a matemática, a física, a lógica e a biologia. Sim, coisas que parecem hoje absolutamente distintas tem a mesma origem formal. Por exemplo, Pitágoras, aquele do triângulo era um filósofo. A especialização de cada área do conhecimento fez com que as disciplinas se separarem paulatinamente até chegarmos o dia de hoje onde parece ser ilusório supor que um engenheiro tenha algum conhecimento de filosofia ou que já tenha lido Aristóteles.

Não nego porém, que existam muitos profissionais em todas as áreas que tenha um diverso conhecimento do mundo. Mas de onde vem essa hipótese de que as humanas não servem para nada? Bom, quando pensamentos no nome dado para elas, humanas, e nós como seres humanos, deveríamos em si adorar uma disciplina que tem o humano como foco. Mas não é bem assim. As humanas muitas vezes criticam o modus operandi de nossa sociedade, do pensamento, do senso comum e etc. E, ver o humano demasiado humano não é tarefa fácil. Mexe com egos, certezas e zonas de conforto.

Eu acho porém que a principal crítica dos exatos aos humanos é que nós parecemos não nos encaixarmos nessa lógica de mercado e produção que se adequa tão bem às exatas. Você tem uma demanda e cria um produto. O produto é o resultado do seu trabalho. Nós, "humanos" temos produtos, mas muitas vezes eles não são mercadorias, não tem valor de comércio, muitas vezes. Não é um produto químico, um remédio, um celular, uma cadeira, um eletrodoméstico, um carro. Podemos vender obras de arte, algumas com valores muitos superiores à um carro, por exemplo, mas a utilidade do carro é facilmente compreendida por qualquer um - a locomoção. Já o que muitos pensam da obra de arte é que um objeto apenas estético. Se o nosso produto do nosso trabalho não tem valor, pode-se fazer a analogia de que o nosso trabalho também não.

Isso para mim é o como o senso comum entende a arte e as humanas em geral. Mas então eu me pergunto, o que seria do mundo sem nenhuma ciência humana? Podemos nós virarmos apenas consumidores acéfalos? Existe algo nas relações humanas que não se baseie em comprar e vender? Somos homo sapiens, ou homo trabalhus? E sabedoria é apenas saber fazer contas, entender movimentos, compostos, particulas? Não estou dizendo que os cientistas não tenham senso crítico, mas a distância entre as disciplinas e a recente competição estimulada por avaliações feitas com base em apenas parâmetros quantitativos tem prejudicado à todos, mas principalmente as humanas.

Porque? Bom, acho eu que a pesquisa em geral tem um papel social, seja de compreender um fenômeno ou até mesmo resolver um problema. Mas muitas outras questões se apropriam dessa simples natureza. A pesquisa das humanas dificilmente é de interesse do Estado como as pesquisas ou das empresas (que no Brasil aproveitam muito mal nossos pesquisadores). Inclusive, elas podem ser do desinteresse, em determinados aspectos. Mas o interesse do Estado, muitas vezes é contrário ao da sociedade em geral. O problema, a meu ver, é que quando os exatos não tem qualquer interesse em conhecer um pouco mais das humanas, pode entender que está de fato cumprindo uma grande parte do seu papel social, pois está fazendo o seu trabalho. Por exemplo, construindo uma hidreéletrica no Xingu, sem entender que pode estar sendo co-resposável por desabrigar centenas de pessoas que virão a morar ninguém sabe onde. Mas ele estava fazendo apenas o trabalho dele. Não se pode apenas inventar coisas e negar o uso que elas terão. Negar o humano da ciência seria como desenvolver a bomba atômica supondo apenas que ela será usada para fazer a paz e negar o quanto de pessoas elas podem matar.

O que poucos sabem é que a maior parte dos cientistas não estão construindo pontes, enviando satélites e curando o câncer. Muitas das descobertas são feitas por acaso e muitos estudos que estão sendo feito hoje em dia só serão aplicados em alguns anos. Claro que eles devem ser feitos. Mas eu não entendo porque o cara estudar algo agora para ser usado (se for) só daqui há 5 anos é mais relevante do que algo que está acontecendo aqui e agora e que pode ser observado. Também não entendo porque tudo deve ser comparado, humanas versus exatas.

Para que servem as humanas? Fiquei de responder essa pergunta. Vou falar por mim e resumidamente pela minha área. A literatura serve para muitas coisas: distrair, encantar, ensinar, mudar, dar voz e silenciar. Podemos disceminar preconceitos, mas também respoder a críticas e injustiças. A literatura serve para desenvolver a imaginação, deixar um legado, falar em primeira pessoa. Podemos encontrar conforto ou desconforto. Podemos imaginar mundos e fazer previsões futuristicas. Eu consigo imaginar um mundo sem deus, mas não imagino um sem literatura. Deus é um produto literário, o cinema, as revistas em quadrinhos, a música, somos todos parceiros de palavras em diferentes linguagens. Tire a literatura de sua vida e veja que não sobram nem belas palavras para falar ao seu amado. A literatura é a expressão íntima humana/social.

Para encerrar, uma frase de um físico que vcs devem conhecer de nome, César Lattes:

“O homem como cientista é amoral. Só é moral como homem, não se preocupa se o que descobre vai ser usado para o bem ou para o mal. Como toda descoberta científica dá mais poderes sobre a natureza, ela pode aumentar o bem ou o mal.”

21 comentários:

Vinicius disse...

Creio que as ciências de base são taxadas assim.

A administração, gestões em geral, publicidade e propaganda e etc, não sofrem o preconceito da sociologia ou da filosofia, por exemplo.

Drixz disse...

A questão é como administradores, gestores, e afins veem as humanas. Não diria que é muito absurdos que muitos deles nos enxerguem como um bando de vagabundos. Infelizmente.

Vinicius disse...

Sim, esses cursos são de mercado. São funcionais.

Enquanto nós tomamos no nosso rabo com o preconceito de que só "metaforizamos as coisas".. Ou seja, parece que o que fazemos não tem ligação com a realidade.

Rajá Vidya disse...

Faço parte de uma das Ciências Exatas e o fato que de ''desprezamos'' as Ciências Humanas é simples: É algo um tanto trivial. Tão trivial ao ponto de que não damos prioridade a qualquer área das Ciências Humanas.

Drixz disse...

Eu esperava um comentário um pouco mais elaborado. Não acho as ciências humanas triviais, nem tão pouco acho as ciências exatas triviais, só não faço parte do grupo de pessoas que tem um interesse profissional nelas, afiliei-me as ciências humanas. Agora se trivial você quer dizer que não lhe desperta interesse, acho compreensível, mas trivial no sentido de algo que deve ser menosprezado, como vemos ocorrer com o preconceito, aí eu acho que seu comentário é sintomático.

Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Unknown disse...

faço parte de uma das ~~~ciências~~~ (odeio o termo - aliás, odeio a separação humanas e exatas, mas fazer o que.......), e não acho ~~humanas~~ triviais, de modo algum

o amigo aí de cima, que acha trivial, deveria usar menos o "nós" e mais o "eu"; esse "fato" de que "desprezamos"... pode parar, hahaha, eu conheço muita gente que não despreza literatura, ou artes, ou filosofia etc e fazem matemática, física, química... não coloque todo mundo dentro da sua frase, é feio =p

enfim, acho que qualquer cientista (seja da matemática/física ou da filosofia/letras) vai ter suas preferências na hora de estudar, infelizmente foi-se o tempo em que os sábios podiam dominar todas as áreas do conhecimento; hoje é tudo tão complexo, que leva-se uma vida para dominar uma pequena fração de alguma área, é impossível se dedicar a todas. Mas pelo menos um pouquinho de cada coisa é possível, válido e necessário, e eu me orgulho de conseguir reservar meu tempo para ler/conhecer coisas que estão fora do escopo da minha área de estudos (curso física). E acho que todo mundo devia tentar um pouco disso, é gostoso =p
Não se faz, por exemplo, física sem conhecer um pouco de filosofia, e nem se faz filosofia sem conhecer um pouco de física...

enfim, é isso.

Drixz disse...

Gostei muito do comentário. Escrevi esse texto já a um tempo e não me lembro bem da minha motivação. Mas conheço sim muita gente que não é preconceituosa em relação as áreas. Mas como disse, hoje em dia é difícil encontrar um Pascal ou um Bachelard.

Milena FS disse...

Eu sou de "exatas", e sou fascinada por música, arte, literatura,filosofia.... E não vejo preconceito entre áreas.

Acredito que esse estereótipo humanístico foi taxado pq. áreas de exatas são de mercado e boa parte de humanas adequamos em momentos de lazer.
Mas não tenha dúvidas que humanas desenvolve e envolve o ser humano.

Milena FS disse...

Eu sou de "exatas", e sou fascinada por música, arte, literatura,filosofia.... E não vejo preconceito entre áreas.

Acredito que esse estereótipo humanístico foi taxado pq. áreas de exatas são de mercado e boa parte de humanas adequamos em momentos de lazer.
Mas não tenha dúvidas que humanas desenvolve e envolve o ser humano.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Joyce disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Rajá Vidya disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Drixz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.